1 – Plantar igreja é mais um discurso da moda.

Já escutou a frase: “vai que a moda pega”? Pois é, o discurso de plantar está na moda há muito tempo. Não foi somente uma “modinha” passageira, pois todos os grandes desafios evangelísticos do Novo Testamento são, basicamente, para a plantação de igrejas. A “Grande Comissão” (Mt 28.18-20), por exemplo, não é somente um chamado para fazer discípulos, mas para batizar. Em Atos fica claro que o batismo significa incorporação a uma comunidade de adoração com responsabilidades e limites (Atos 2:41-47).

O Autor Ed Stetzer escreve que “as primeiras igrejas obedeceram à Grande Comissão plantando novas igrejas em cumprimento às suas atribuições de discipular, batizar e ensinar que deflagrariam o processo de multiplicação da plantação de um número cada vez maior de igrejas.”1

Por esse motivo, a plantação de igrejas não é um discurso da moda, mas algo que vem desde a igreja primitiva e deve prosseguir nos nossos dias, já que é um processo bíblico.

 2 – Plantar igreja é algo que não conseguimos fazer.

Você já pensou que todas as igrejas, inclusive a que você participa, teve um início? Como ela começou? Qual foi o trabalho realizado? Qual foi o segredo?

Tenho certeza que a resposta será: foi por meio de pessoas! Pessoas dispostas a compartilhar o evangelho com outras. A razão maior para o nascimento dessas igrejas foi o desejo de glorificar a Deus.

Dessa forma, também nós somos chamados a fazer parte da Grande Comissão e plantar igrejas para que Deus seja glorificado. Podemos nos envolver no processo de plantação de igrejas de várias formas: sendo um plantador, fazendo parte do grupo base da plantação ou auxiliando financeiramente projetos de plantação.

O que precisamos ter em mente é que “Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio” (2 Tm 1.7).

 3 – Para que plantar igreja se a minha cidade já tem muitas.

De quantas igrejas sua cidade precisa? Você já pensou nisso? Se considerarmos igrejas como instituições, numa determinada cidade, devemos entender que algumas delas perduram porque são revitalizadas continuamente, mas todas perdem alguma flexibilidade; muitas ficam estagnadas; e uma porcentagem morre todos os anos.

Ao observarmos esse cenário, percebe-se que é necessário um nível suficiente de novas igrejas para que o corpo de Cristo não decline de forma gradual. Mas o objetivo não é somente manter o número de cristãos numa cidade, certo? Mas, sim, alcançar, servir e influenciar a cidade inteira.

Pesquisas mostram que, se houver uma igreja para cada 10 mil residentes, aproximadamente 1% da população frequentará uma igreja. Se a proporção for de uma igreja para cada mil residentes, então de 15 a 20% da população frequentará uma igreja. Se a proporção for de uma igreja para cada 500 residentes, o número pode chegar a 40% ou mais. A relação entre o número de igrejas e os frequentadores é variável, não linear.2

Nosso desejo deve ser o crescimento do cristianismo por meio de conversões, igrejas e influência na cidade. Embora isso necessite muitos tipos de ministérios (projetos sociais, projetos com jovens, escolas cristãs, etc.), a plantação dinâmica de igrejas é o estopim para tudo isso

4 – Para plantar igreja é necessário muito dinheiro, senão não é possível.

No ministério do apóstolo Paulo, o maior plantador de igrejas, é fácil identificar três fases: 1) evangelização, 2) incorporação da comunidade de fé e 3) desenvolvimento de líderes. Esse era o principio básico para a plantação de igrejas no livro de Atos.

Para que tudo isso aconteça não é necessário recurso financeiro. Tudo isso pode ser realizado dentro de sua casa, alcançando o bairro e a cidade. O começo está na sua disposição em evangelizar.

 

 

1 Ed Stetzer – Plantando Igrejas Missionais.

2 Estes números foram tirados de um estudo, conduzido pelo Values Research Institute de Nova York e contratado pela organização Redeemer City to City, que examinou a frequência aos cultos e o crescimento de igrejas na cidade de Nova York nas últimas décadas.

Mauro Westphal

Por Missão Zero

quarta-feira, 01 abril 2020
Mais da MZ
Tempo perdido

Tempo perdido

Nosso desejo de controle do tempo é um perigo, pois nos faz supor que temos uma grande autonomia, nos faz crer que somos capazes de controlar o que na verdade não somos, e a crer que tudo aquilo que acontece fora do nosso cronograma é um sacrifício ou um problema.

ler mais

Invista como um especialista

Tenho a impressão de que nos últimos tempos estou sendo bombardeado de propagandas dizendo: invista seu dinheiro conosco. Outras propagandas prometem fazer seu dinheiro render de forma extraordinária. Agora, chegou a minha vez de dar algumas dicas de investimento para você!

Tempo perdido

Nosso desejo de controle do tempo é um perigo, pois nos faz supor que temos uma grande autonomia, nos faz crer que somos capazes de controlar o que na verdade não somos, e a crer que tudo aquilo que acontece fora do nosso cronograma é um sacrifício ou um problema.

Igreja que acolhe

Um refugiado busca aqui o que lhe foi usurpado: dignidade, proteção e segurança. Situação básica que cada um de nós também busca e a Igreja é convocada por Deus a responder ativamente. Venezuelanos não são merecedores de pena, mas sim necessitam de dignidade, como eu e você.

Mais do que uma oportunidade, uma responsabilidade

À medida que enfrentamos uma crise após outra, nós, a igreja, devemos aceitar nossa responsabilidade de nos levantar e ser uma bênção, um exemplo e uma esperança para outros. Agindo dessa forma, estamos mais propensos a manter nossas prioridades em ordem.

The Croods

Aprendemos com a família Crood que precisamos nos reinventar. Juntos, eles enfrentam grandes desafios e se adaptam à uma nova era. Agora, chegou a nossa vez. Nossas vidas sofreram uma grande transformação e a maneira como vivemos igreja mudou e vai mudar mais ainda.

Vocação para muito mais que manutenção

Quando uma comunidade de discípulos de Jesus redescobre sua vocação essencial através do Evangelho, o Espírito Santo os capacita a viver a missão de Deus. Com esse projeto de comunidade o próprio Deus tem um compromisso.

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

Ser igreja é ter propósito

Quem estabeleceu o propósito de a igreja existir e nos chama a fazer parte desse propósito é o próprio Deus. Por isso, quando falamos sobre igreja, precisamos nos voltar primeiramente para Deus e perguntar como ele mesmo define a igreja em sua essência.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Mas se pararmos para pensar, esse termo não é novo. O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

A missão da Liga da Justiça

Embora eles já tenham passado por várias mudanças ao longo dos anos e tenham se dividido e se reunido inúmeras vezes, sempre que as fichas foram lançadas e a terra precisou de seus maiores heróis juntos nas linhas de frente, a Liga da Justiça sempre respondeu ao chamado para o dever.

O desafio da missão aos jovens

Como a igreja pode “concorrer” com tantas alternativas oferecidas no mundo virtual? Afinal, não se trata apenas dos jovens (que são uma faixa-etária essencial à igreja), mas destes que além de já serem igreja hoje, serão igreja por muito tempo pela frente. Se a igreja não alcançar os jovens hoje, quem será a igreja daqui a 15, 30 ou 50 anos?

O terminal

É nos lares que a igreja pós-pandemia se fortalecerá e se desenvolverá. Líderes/pastores sábios irão cooperar com esta tendência ao invés de competir com ela: eles precisarão capacitar os membros para serem ministros de suas famílias e vizinhanças.

Igreja que acolhe

Igreja que acolhe

Um refugiado busca aqui o que lhe foi usurpado: dignidade, proteção e segurança. Situação básica que cada um de nós também busca e a Igreja é convocada por Deus a responder ativamente. Venezuelanos não são merecedores de pena, mas sim necessitam de dignidade, como eu e você.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.