Comunidade mãe é aquela que assume o papel materno na gestação, nascimento e nas fases iniciais de uma nova comunidade.

Quando uma família decide ter filhos é comum, no nosso contexto, que procurem um médico e façam exames para verificar a viabilidade de uma gestação. O diagnóstico positivo indicará ao casal o sinal verde para a gravidez, ao mesmo tempo pode indicar a necessidade de tratamento que corrija problemas para a concepção.

À semelhança com casais do nosso tempo, existem comunidades que nunca pensaram, que nunca foram estimuladas a ter filhos, ou que simplesmente decidiram não tê-los. Como escreve Ed Stetzer (2015). “A América do Norte está repleta de pastores e de igrejas que não estão dispostos a apadrinhar igrejas-filhas nem fazer os sacrifícios necessários para respaldar o início de uma nova igreja” (p.398). Penso que essa decisão também passa pelos líderes, as vezes preocupados em demasia com a manutenção da própria comunidade já estabelecida.

Toda comunidade saudável tem a capacidade de ser uma comunidade mãe. Ed Stetzer (2015) diz: “Igrejas de todos os tamanhos e idades podem participar do processo de plantar igrejas” (p.391). Talvez mais do que isso, pelo compromisso de levar o evangelho a todas as pessoas, em todos os lugares, tenham o dever de ser comunidade mãe, ou pelo menos participar ativamente da plantação de novas comunidades.

Toda mãe (ou figura materna) tem um papel decisivo no desenvolvimento saudável dos filhos. Na teoria do apego (John Bolwby) o cuidado materno nos primeiros anos de vida da criança precisa ser frequente e constante, gerando segurança. Significa estabelecer uma rotina de proximidade e satisfação das necessidades básicas do filho, que a princípio são alimentação e comunicação. A mãe sinaliza para a criança que estará presente no momento da necessidade e vai criando com ela um apego seguro. Quando isso ocorre, a partir dos 2 anos de idade é perceptível na criança o desenvolvimento da autonomia. Por outro lado, uma mãe apática pode gerar grandes problemas no desenvolvimento do filho.

Trazendo isso para a vida da igreja, significa que a comunidade mãe precisa ser capaz de responder a algumas questões básicas das comunidades que gerou:

1 – Ser suporte institucional e financeiro: a comunidade filha deve sentir a segurança de ter a mãe por perto e poder recorrer a ela em qualquer situação que ainda não consiga enfrentar sozinha.

2 – Mentoria estratégica: a comunidade mãe exerce o papel fundamental de dirigir os primeiros passos do planejamento da comunidade filha, bem como se fazer presente para as devidas correções de rota que forem necessárias. É importante que falem a mesma língua e tenham uma via de comunicação aberta e sincera.

3 – Autonomia e maturidade: à medida que os passos anteriores se estabelecem de maneira saudável, o processo de autonomia da comunidade filha se consolida, e ela se torna madura a ponto de também gerar outras comunidades.

Finalizo com um exemplo bíblico: Atos 13, que fala sobre a igreja de Antioquia. Ela foi mencionada como fruto de evangelismo no cap. 11. Agora, dois capítulos depois, essa comunidade está adorando e jejuando quando o Espírito Santo, protagonista da missão, seleciona Barnabé e Paulo para um novo projeto. Sem restrições ou pré-requisitos a comunidade envia os dois, mostrando ser uma comunidade viva, saudável e disposta ao sacrifício (enviou para fora seus melhores pastores).

Em Atos 14.26-28 vemos Paulo e Barnabé voltando à Antioquia e prestando contas a sua igreja de origem sobre tudo o que fizeram.

Atos 15 aponta mais um episódio digno de nota: o ministério de Paulo, Barnabé e da própria igreja em Antioquia foi questionado por um grupo de judeus. Eles queriam impor aos gentios convertidos as mesmas regras religiosas que praticavam. O versículo 2 relata que Paulo, Barnabé e mais alguns irmãos foram designados a irem a Jerusalém para conversar com os apóstolos e resolver a questão. Vemos, então, a “igreja mãe” dando retaguarda aos seus enviados e segurança aos novos convertidos.

Como a comunidade que você frequenta, lidera ou pastoreia tem desempenhado seu papel materno em relação a comunidades filhas?

Daniel Port

Por Missão Zero

quarta-feira, 03 junho 2020
Mais da MZ
Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

ler mais

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Negócios e plantação de igrejas: feitos um para o outro!

Não, o modelo missionário de Paulo não era “convencional”. Ele já havia demonstrado em Corinto, em Atos 18:1-4, sua fé na importância e poder das profissões no ministério, e sua convicção de que Deus não chama todos os Seus filhos para um ministério de tempo integral, mas que os chama a ministrar por tempo integral, elevando suas profissões a um contexto de ministério. Isso é especialmente verdade quando se trata de negócios.

Revisão preventiva

Atuar na missão de Deus em nossos dias tem passado por uma revisão. A igreja que quer ser igreja mesmo, ou seja, a igreja que quer viajar cada vez mais longe, precisa passar por esse processo. Ao pegar a estrada, plantando igrejas pelo caminho, não pode esquecer do que é central.

Segure a corda

Como é importante quando os problemas podem ser divididos e o campo missionário sabe a quem recorrer. Processos de mudanças de ações nesse sentido podem ser difíceis e abalam estruturas. Dificilmente, porém, haverá missão para fora se não tivermos capacidade de mexer estruturas internas.

Movimento missionário

Qual seria a fonte desta constante força encorajadora fazendo que Paulo e Barnabé não apenas fossem capazes de fornecer pra eles próprios tamanha energia e vitalidade na jornada missionária e vida com Deus, quanto também de abastecer o tanque vazio de cada qual ao seu redor?

Perdendo para ganhar

Atos 13.1-3 narra um acontecimento da Igreja de Antioquia. Não, não foi um milagre extraordinário. Pelo menos não parecia ser naquele momento. Não foi um megaevento, nem aconteceu na igreja de Jerusalém. Aconteceu numa comunidade distante dali, numa comunidade que começou meio por acaso. E foi um feito tremendo!

Páscoa: a perfeita Missão

A páscoa sempre nos relembra que Deus escolheu nos incluir, os imperfeitos, na sua perfeita missão. Ele começou, fez o que era necessário para nos salvar, e decidiu que ao invés de enviar anjos enviaria pessoas, enviaria você e eu para anunciar a todas as nações que há vida na morte, há perdão e libertação.

Bastidores da missão

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.