Era uma vez uma estrela.

Uma estrela diferente de todas as outras que cintilam tímidas mundo afora em noites de céu claro.

Uma estrela muito desejada e há muito tempo desenhada por Deus, e que dele havia recebido a preciosa tarefa de mostrar aos corações atentos que a plenitude dos tempos havia chegado.

Muitos anos antes do aparecimento do tal astro, Deus já havia prometido ao seu povo que um dia uma criança viria ao mundo para mostrar a todos o quanto o Criador nos amava. E quando então chegou a hora do menino nascer, os seres celestes celebraram como nunca antes: uma nova era estava começando. Um novo e verdadeiro caminho para os homens poderem desfrutar da comunhão plena com o seu Senhor.

E o que estava fazendo o povo que havia recebido de Deus o privilégio disso tudo saber e também de proclamar ao mundo inteiro essas novas tão boas? Aguardavam eles, ansiosamente, a vinda do seu messias? Contavam os dias? Os calendários? Vigiavam atentos as mudanças de tempos e estações, cada geração clamando aos céus que não os permitissem partir antes de que o tão esperado dia chegasse?

            Por mais absurdo que seja, não.

            Não foi assim que as coisas aconteceram.

Embora seja difícil de acreditar, aos poucos, a maioria dos homens de Deus começaram a se distrair com as preocupações dessa vida. A fome da carne falou mais alto e até pareceu silenciar os anseios do coração, e eles passaram a viver como se nada de importante estivesse prestes a acontecer.

Todavia, apesar do povo escolhido ter colocado a esperança e a espera de lado, outras pessoas não deixariam o evento passar despercebido. Eram os magos do oriente. Homens sábios que tinham ouvido falar sobre as tais promessas, e creram. Ansiavam pela face do Eterno e, no silêncio da noite, com afinco estudavam os céus. Aguardavam com paciência a intervenção divina, enquanto tentavam compreender os mistérios da criação. Ao perceberem o surgimento de tão linda estrela, não pensaram duas vezes: rapidamente deixaram suas terras para poderem enfim encontrar e adorar o rei recém-nascido.

Depois de muito caminhar, chegaram a um palácio de uma grande cidade. Indagaram aos sábios da redondeza sobre o rei que estaria por vir, mas foram informados de que a criança ali não estava. Disseram-lhes também que precisariam continuar viagem até uma vila pequena dos arredores. Seria possível? Os sábios estranharam. Não estavam acostumados a nobres que escolhem habitar entre os menores.

Retomaram então o trajeto, dessa vez em direção ao lugar indicado. Ao pôr-do-sol, viram que a estrela continuava a brilhar adiante deles, dando-lhes esperança para perseverar. Procurar mais um pouco. Só um pouco mais. De repente, enquanto caminhavam, tiveram uma surpresa: perceberam que a estrela havia parado!

Entreolharam-se. Era isso mesmo? Quase não conseguiam acreditar! Seus corações bateram forte no peito.

Sorriram! Gargalharam! Não sabiam se dançavam, ou cantavam. Estavam tomados de júbilo! Finalmente a espera havia acabado! Tinham encontrado o Rei!

Sem demoras, entraram na casa indicada pela querida estrela. E se os olhos viram apenas um pequeno menino no colo da sua mãe, as almas bem entenderam a sacralidade daquela cena. Assim, perceberam que estavam diante da única pessoa no mundo inteiro digna de completa devoção. Quanta alegria!

A plenitude dos céus evolveu-lhes. Com toda a reverência que o momento pedia, colocaram-se de joelhos e adoraram o menino. A gratidão de saberem-se privilegiados fluiu e ao Rei dos reis deram os seus presentes. Os seus tesouros. E também os seus corações.

Depois disso, foram orientados pelo próprio Deus a não mais passarem pelo o palácio. Precisavam voltar para casa, é verdade, mas deveriam tomar uma nova estrada. A antiga não era segura, e nem certa. Pensando bem, quem tem um encontro face a face com o próprio Deus, não consegue mais caminhar pelos mesmos caminhos, não é mesmo?

Eu ainda penso, às vezes, no rumo que há de ter tomado a estrela guia… Os livros sagrados não nos falam do seu paradeiro. Talvez um dia possamos saber se ela já se foi, ou se está escondida por entre os outros astros, anunciando aos homens a sua glória. A única coisa que posso com toda certeza afirmar é que ela foi fiel em cumprir a missão que o próprio Criador lhe havia dado. Brilhara sua luz a povos distantes, a eles anunciando as boas notícias de Deus e indicando o caminho de vida àqueles que já ouviam o sussurro do Espírito.

E creio também que os homens do oriente retomariam suas vidas, mas jamais seriam os mesmos. No dia a dia, em suas casas, não mais a estrela, mas a lembrança da visita ao pequeno menino seria a luz que lhes faria aquecer o coração. A partir daquele dia, a doce voz do próprio Deus lhes guiaria os passos. E, mesmo nas noites mais escuras, a esperança de um novo encontro lhes daria forças para continuar. Perseverar. Mais um pouco. Um pouco mais, até o dia que, enfim, para sempre viverão na presença do amado e eterno Rei.

Rafaela Speckhann

Por Missão Zero

quarta-feira, 23 dezembro 2020
Mais da MZ
Aprendendo a liberdade

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

ler mais

Sempre haverá oportunidade!

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

Comunicação além do Like

Saber aonde está alicerçado e quais as suas verdades são pontos fundamentais para começar um processo de comunicação. Esse conhecimento vai ajudar você a criar uma identidade e uma narrativa coerente com a realidade do emissor. É nessa etapa também que nos confrontamos com a palavra planejamento. Falando de igreja e missão, esses dois pontos são fundamentais: autoconhecimento e planejamento.

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.