“…anunciar a Cristo aonde Ele ainda não foi anunciado.” (Romanos 15.21)

Era um Sábado por volta do meio-dia quando os dois missionários voltaram de sua jornada ministerial às montanhosas vilas do sul da Ilha de Madagascar. Um era pastor nativo da região e o outro, um missionário estrangeiro. Durante três dias, trabalharam arduamente entre uma das etnias do país, evangelizando, passando o filme Jesus, criando relacionamentos, na expectativa de uma igreja nascer.

Exaustos da jornada de 350 km feitos de moto, o pastor nativo despediu-se do amigo missionário e foi para sua casa enquanto, o “estrangeiro”, almejava apenas um bom banho (tomado de canequinha) e uma boa refeição – depois de ter comido arroz sem sal e mandioca por 3 dias. Ao entrar em casa, a esposa do missionário saudou-o alegremente e, já antecipando a expectativa dele, o esperava com uma deliciosa refeição. Após tomar banho, o missionário saboreou o banquete e disse a esposa e filhos que iria descansar um pouco, pois, após todo o trabalho, merecia um descanso. Entretanto, o “coitado”, não teve tempo para por a cabeça no travesseiro e alguém bateu no portão.

“Quem será?” Pensou a esposa. Ao abrir o portão, ela deparou-se com o pastor nativo, que, sorridente e absolutamente empolgado, aguardava.

– Amor – disse a esposa em alta voz – É o pastor!

O missionário se levanta, um tanto desapontado, pois seu tempo de descanso fora interrompido, e vai até o portão. Ao chegar, o amigo estava empolgadíssimo, pois havia recebido uma ligação em que o disseram que havia uma igreja, não muito longe, esperando para ver o filme Jesus. De todas as formas possíveis, o missionário tentou arrumar uma desculpa para não ir.

– Estou cansado, amigo. Vamos outro dia! Ah! Vai chover, não dá para ir.

Desculpa após desculpa era dada. Visivelmente, o missionário não queria ir. Após alguns minutos, a esposa, que ouvia a conversa de longe, achegou-se ao lado do marido e disse:

– Vai com o seu amigo, amor. Ele veio para isso! Olhe a caixa de som, o projetor. Tudo pronto, vai com o pastor.

– Não vou – respondeu o missionário, destilando um sorriso – estou cansado – susurrou!

A esposa gentilmente insistiu e, após troca de olhares e sorrisos “amarelos”, embora chateado, senão irritado, o missionário decidiu ouvir a esposa e seguiu o amigo na nova jornada. Lá foram os dois servos de Jesus anunciar a Cristo. Um como Paulo, o apóstolo dos gentios, o outro como Jonas.

Logo após saírem, uma leve chuva começou a cair, o que fez a estrada tornar-se escorregadia. Não poderia estar melhor, murmurou o missionário. O pastor nativo, por conseguinte, ia entonado um hino enquanto pilotava a velha moto chinesa 125 cc, que mais parecia uma batedeira do que uma moto, de tanto que chacoalhava as partes. E o missionário, bom, com o rosto sisudo, como de uma criança que foi roubada do seu doce, seguia em silencio.

Ao chegarem à igrejinha, feita de barro e telhado de palha, havia um menino para recebê-los. O missionário ficou decepcionadíssimo e em seu coração perguntou: – É isso? Uma criança, Senhor?

Profundamente entristecido e aborrecido, pegou o equipamento do filme Jesus e seguiu a criança até a porta da igreja que ficava do outro lado. De supetão, empurrou a porta que dava acesso ao templo e para sua surpresa, a igreja estava abarrotada de gente. O temor tomou conta do missionário que, ligeiramente montou a parafernália, deu “play” no filme Jesus e assentou-se no canto da Igreja, onde chorou amargamente. Em seu coração havia apenas um sentimento: vergonha. Claramente, o Senhor havia atraído toda àquela multidão para ouvir a respeito do seu Filho Jesus, muitos pela primeira vez, e em seu egoísmo o missionário não queria ir.  

Voltando para o texto que lemos em Romanos, vemos exatamente o oposto dessa história. A ambição do apóstolo Paulo era ir e não ficar. Era sacrificar tudo por amor a Cristo, seu Senhor. Sua maior ambição, era viver para anunciar a Cristo entre àqueles que nunca ouviram a respeito do Salvador, pois ele estava certo de que esse era, e continua sendo, o desejo de Deus (Êxodo 9.16).

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória. Portanto, jamais devemos macular a vontade de Deus, substituindo-a pela nossa. Ele é o maior interessado em salvar pessoas e aquele que comissionou o Seu povo a ir e não ficar. Sendo assim, a famosa Grande Comissão, revelada em sua plenitude em Mateus 28.18-20, não é um delírio dos apóstolos apavorados e desesperados para tentar manter vívida a lembrança de um Cristo morto, mas é o resultado do encontro com o Cristo ressurreto e o compreender de Sua vontade.

Obviamente para Paulo, após a estrada de Damasco, estava tudo muito claro. A Igreja era, e é, a responsável por levar a Boas Novas de grande alegria, a todos os povos, custe o que custar!

Infelizmente, apesar do desejo de Deus em ser conhecido, da clareza com que as Escrituras expõem o nosso comissionamento como discípulos, ainda há hoje, por volta de 7.000 povos etnolinguísticos (Josuha Project), sem a presença do Evangelho. Aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas que nunca ouviram o nome de Jesus e não tem acesso a Ele. Qual será nossa atitude perante um cenário tão cruel, visto que a pergunta que ecoou na eternidade ainda estronda em nossos ouvidos: “A quem enviarei e quem há de ir por nós?

Que Deus tenha misericórdia de sua Igreja.

Luis Fernando Basso – missionário entre o Povo Bara em Madagascar

Por Missão Zero

quarta-feira, 07 julho 2021
Mais da MZ
Aprendendo a liberdade

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

ler mais

Sempre haverá oportunidade!

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

Comunicação além do Like

Saber aonde está alicerçado e quais as suas verdades são pontos fundamentais para começar um processo de comunicação. Esse conhecimento vai ajudar você a criar uma identidade e uma narrativa coerente com a realidade do emissor. É nessa etapa também que nos confrontamos com a palavra planejamento. Falando de igreja e missão, esses dois pontos são fundamentais: autoconhecimento e planejamento.

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Negócios e plantação de igrejas: feitos um para o outro!

Não, o modelo missionário de Paulo não era “convencional”. Ele já havia demonstrado em Corinto, em Atos 18:1-4, sua fé na importância e poder das profissões no ministério, e sua convicção de que Deus não chama todos os Seus filhos para um ministério de tempo integral, mas que os chama a ministrar por tempo integral, elevando suas profissões a um contexto de ministério. Isso é especialmente verdade quando se trata de negócios.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.