Cresci num lar católico, e aos 19 anos, o amor e o perdão de Jesus me envolveram. Decidi segui-lo e obedecê-lo. Acho que todos nós, quando somos crianças, temos sonhos do que nos tornaremos quando formos adultos, mas nunca imaginei que acabaria morando fora do meu próprio país, e mais ainda que teria as experiências mais marcantes da minha vida em um país muçulmano na África.

Nem todos os países muçulmanos são governados pelo islamismo radical. O governo do país onde morei permite que os expatriados se reúnam para cultuar a Deus, e prova disso é que no centro da capital temos uma catedral e um templo protestante. No entanto, não é um lugar onde a população local queira ser vista, já que eles entendem que esses lugares são para os “cristãos”: pessoas cheias de vícios, promíscuas e sem temor a Deus. Nós, como equipe, decidimos antes de chegar ao país que não nos identificaríamos como cristãos e, em segundo lugar, não participaríamos dos serviços religiosos nesses locais. Você deve estar se perguntando: então como se identificam e onde cultuam a Deus? A maioria de nossos amigos e vizinhos locais fizeram essa pergunta antes de aceitar continuar conversando conosco, a nossa resposta e que somos “Masihis”, que significa seguidor de Jesus, e complementamos ilustrando que da mesma forma que eles obedecem às palavras do Alcorão, nos obedecemos à Bíblia, e que, assim como eles obedecem, seguem e amam Maomé, nós também seguimos, obedecemos e amamos a Jesus.

Consequentemente, as perguntas a respeito de nossa fé continuam, mas agora com o interesse de conhecer e até, em alguns, de comparar com suas práticas. Eles ficam interessados por conhecer mais a respeito de quantas vezes oramos, se jejuamos e onde adoramos nosso Senhor. Abertamente, lhes dizemos que nos encontramos em nossas casas, onde junto com as crianças podemos ter um momento de adoração, meditação da Palavra e oração. Tudo isto com dupla intenção. Por um lado, é verdadeiramente a nossa forma de culto ao Senhor, mas também é para despertar neles a curiosidade e deixá-los à vontade para continuar perguntando.

Até aqui, tenho só relatado o que é nossa realidade como crentes expatriados morando num país não tão radical. Porém, a situação muda drasticamente quando os cultos são entre pessoas que deixaram o Islã e decidiram seguir Jesus. Lembro-me da primeira vez que participei de um desses cultos. Foi na casa de uma família queniana localizada bem em frente à uma amplia área aberta, que no tempo de Ramadã é usada por centenas de homens para orar e meditar. Justamente essa reunião aconteceu na última semana do jejum, e todo o redor da casa dos meus colegas estava lotado de gente. Para poder entrar na casa, precisamos esperar alguns minutos e assim não chamar a atenção dos vizinhos e as pessoas. A sala era pequena, mas foi espaço suficiente para mais de 10 pessoas. Cada um achou um lugar para se sentar no tapete. A princípio, deu para perceber um pouco de preocupação no ambiente. Muitos deles não se conheciam. O tempo de louvar a Deus começou, tudo na língua local, e pudemos sentir como clima mudou. As canções, que no início eram quase sussurradas e tímidas, foram ganhando fervor e mais volume. De repente, fomos inundados com liberdade, paz e muita alegria.

Naquela reunião não havia ninguém para conduzi-la, e por unanimidade decidiu-se que o melhor era se apresentar, dar uma palavra ou relatar como foram encontrados pelo nosso Mestre. A grande maioria decidiu compartilhar suas histórias, e foi um momento de muitas lágrimas de alegria. Eles mesmos perceberam que não estavam sozinhos, mas que o Senhor os havia chamado para fazerem parte de uma família. Eles também compartilharam suas lutas e anseios. O encontro durou mais do que o esperado, mas ninguém queria deixar a casa, e todos saíram daquele lugar cobertos de oração e forças para seguir em frente. Outro detalhe muito importante é que conseguimos ter uma boa refeição juntos. Um doce momento de comunhão!

Depois daquele encontro, outros vieram, até que uma noite a casa daquela família Queniana foi invadida de madrugada. Pudemos ver a mão protetora de Deus: os vizinhos relataram que viram os ladrões armados com machados, porém eles não perceberam que a família estava dormindo no telhado e não sofreram nenhum dano. Depois desse incidente, tivemos que encontrar outro lugar para nos reunirmos. Anos depois, a casa de outro de nossos colegas, onde costumávamos nos reunir para nossos cultos, foi apedrejada por jovens estudantes da mesquita mais próxima. Nesse tipo de situação, não é útil registrar uma queixa na polícia porque eles não faram nada a respeito.

Com o tempo, decidimos que o melhor era mudar constantemente os locais de reunião com os locais. Em várias ocasiões, famílias estrangeiras ricas permitiram que nos reuníssemos em suas casas. Vários de nossos treinamentos reuniram não só nossos irmãos locais, mas também a grande maioria dos voluntários que trabalham no país. Certamente, estarmos todos nós juntos era muito perigoso. Se alguém nos denunciasse, provocaria um grande problema, mas sempre vimos o cuidado do Pai. Lembro que, em um desses encontros, houve muita resistência de alguns colegas, mas naquela ocasião mais de 40 pessoas se reuniram. Foi um culto onde houve reconciliação, e pudemos até testemunhar como Deus respondeu à oração de um irmão orando pela cura de um homem que havia perdido mais de 70% da visão.

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

C. – missionária no Chifre da África

Por Missão Zero

quarta-feira, 14 julho 2021
Mais da MZ

Faça parte do Multiplique!

Cresça em seu desenvolvimento pessoal e vocacional.
É hora de servir no Reino de Deus para juntos plantar igrejas e fortalecer comunidades.
Está pronto para dar o próximo passo na sua jornada de fé? O Multiplique está aqui para guiar você nessa missão!

Projeto missionário com a JUVEP – Faça parte!

Missão Zero está apoiando o 77° Projeto Missionário de Férias da Missão JUVEP que acontecerá na cidade de São José de Princesa- PB, de 05 a 22/01/2024

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

Os sinais os acompanhavam

Conforme pregamos e anunciamos a Cristo, sua palavra é confirmada. Tive o privilégio de muitas vezes, ao passar o filme Jesus, poder ver tais ocorrências, especialmente onde o evangelho está sendo proclamado pela primeira vez. Não foi diferente desta vez!
Durante o dia visitamos as famílias. Compartilhamos do evangelho e, no fim do dia, passamos o filme Jesus. Começamos o filme, a vila estava lá para assistir, de repente ouvimos um barulho. Já sabia: “tiros” – os ladrões de gado estão aqui! Algumas pessoas saíram correndo. Mais tiroteio….
A pessoas estava com os corações quebrados, mas o entendimento veio, o Espírito atuou e a palavra se confirmou com sinais, da necessidade do evangelho para mudar a realidade, de que a vida que levam não é o que Deus planejou.

Deus está trabalhando!

Queridos Irmãos, que a paz de Cristo esteja convosco!
Nesta última segunda-feira, celebramos a “Fety Pentecoste” aqui em Madagascar (A celebração de Pentecostes).
Depois de um tempo de refrigério e treinamento, nossos dias voltaram a ser muito ocupados novamente.
Deus está trabalhando!!!!
Obrigado por nos ajudar. Sem a sua oração e ajuda financeira não conseguiríamos.
Obrigado por ouvir o Espírito Santo.

Aproveite as oportunidades

“…aproveitem ao máximo todas as oportunidades.” Colossenses 4.5

Discipulado de mulheres é algo que a Jana sempre desejou fazer. E uma maneira que Deus abriu as portas foi através da costura.
Começamos o projeto em 2020. Por falta de recursos para este projeto, não pudemos realizá-lo de novo, pois entregamos as máquinas para abençoá-las ao final do curso, como forma de trazer novas oportunidades e dignidade para elas.
Este ano Deus abriu as portas! Conseguimos comprar todas as máquinas, tecidos … Que alegria! Um privilégio poder crescermos na fé e compartilharmos de Cristo com mulheres com uma vida tão árdua. Algumas nunca pegaram em uma tesoura. A concentração e o desejo de aprender está estampado nos olhos.
Todos os dias começando com o discipulado e depois temos a aula de costura.
Orem por elas! Para que conheçam a Cristo e possam ter suas vidas transformadas pelo evangelho.
Obrigada por aqueles que ofertam nas nossas vidas e, assim, os projetos possam continuar acontecendo em Madagascar! Trabalhemos enquanto é dia!
Que o nome de Cristo seja conhecido e glorificado!!

Missão em um parágrafo – Ribeirinhos

“Não sabia sobre a história de Débora na bíblia” e “Não conhecia nada sobre Dorcas” foram as palavras de algumas mulheres na comunidade em Vila Dedé. Elas estão muito interessadas em estudar sobre as mulheres da Bíblia.
Todos os sábados fazemos estudos. Tem sido uma benção ver o quanto elas desejam aprender com essas personagens. Deus seja louvado sempre!

Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele

Em um dos dias e momentos mais difíceis do ministério, me deparei com essa frase, em um dos melhores livros que tive o privilégio de ler nos últimos tempos: “Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele” (Andy Stanley).
Quando nos dispomos a obedecer ao chamado de Deus em qualquer área de nossas vidas, as trevas se levantam para tentar de alguma forma nos paralisar, nos fazer recuar e desistir.

Evangelismo e compaixão

Evangelismo e compaixão podem andar lado a lado. Seguir os passos de Cristo e ser compassivo é o cerne da cruz!

Missão em um Parágrafo – França

Leia as últimas notícias da Mission Jeepp, em Lyon/França e do casal de missionários, Mateus e Mariana.

Semana intensa entre os Bara

Grandes coisas tem feito o Senhor entre o povo Bara. A semana foi intensa, mas muito gratificante, com muitas atividades e evangelismo.

Missão em um Parágrafo – África

Em nossa ilha, na África, temos tido semanas de muitas interações interessantes, com o grupo de homens e com o trabalho da Rafaela, na escola.

Eu quero acreditar em quem você acredita

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.