Cresci num lar católico, e aos 19 anos, o amor e o perdão de Jesus me envolveram. Decidi segui-lo e obedecê-lo. Acho que todos nós, quando somos crianças, temos sonhos do que nos tornaremos quando formos adultos, mas nunca imaginei que acabaria morando fora do meu próprio país, e mais ainda que teria as experiências mais marcantes da minha vida em um país muçulmano na África.

Nem todos os países muçulmanos são governados pelo islamismo radical. O governo do país onde morei permite que os expatriados se reúnam para cultuar a Deus, e prova disso é que no centro da capital temos uma catedral e um templo protestante. No entanto, não é um lugar onde a população local queira ser vista, já que eles entendem que esses lugares são para os “cristãos”: pessoas cheias de vícios, promíscuas e sem temor a Deus. Nós, como equipe, decidimos antes de chegar ao país que não nos identificaríamos como cristãos e, em segundo lugar, não participaríamos dos serviços religiosos nesses locais. Você deve estar se perguntando: então como se identificam e onde cultuam a Deus? A maioria de nossos amigos e vizinhos locais fizeram essa pergunta antes de aceitar continuar conversando conosco, a nossa resposta e que somos “Masihis”, que significa seguidor de Jesus, e complementamos ilustrando que da mesma forma que eles obedecem às palavras do Alcorão, nos obedecemos à Bíblia, e que, assim como eles obedecem, seguem e amam Maomé, nós também seguimos, obedecemos e amamos a Jesus.

Consequentemente, as perguntas a respeito de nossa fé continuam, mas agora com o interesse de conhecer e até, em alguns, de comparar com suas práticas. Eles ficam interessados por conhecer mais a respeito de quantas vezes oramos, se jejuamos e onde adoramos nosso Senhor. Abertamente, lhes dizemos que nos encontramos em nossas casas, onde junto com as crianças podemos ter um momento de adoração, meditação da Palavra e oração. Tudo isto com dupla intenção. Por um lado, é verdadeiramente a nossa forma de culto ao Senhor, mas também é para despertar neles a curiosidade e deixá-los à vontade para continuar perguntando.

Até aqui, tenho só relatado o que é nossa realidade como crentes expatriados morando num país não tão radical. Porém, a situação muda drasticamente quando os cultos são entre pessoas que deixaram o Islã e decidiram seguir Jesus. Lembro-me da primeira vez que participei de um desses cultos. Foi na casa de uma família queniana localizada bem em frente à uma amplia área aberta, que no tempo de Ramadã é usada por centenas de homens para orar e meditar. Justamente essa reunião aconteceu na última semana do jejum, e todo o redor da casa dos meus colegas estava lotado de gente. Para poder entrar na casa, precisamos esperar alguns minutos e assim não chamar a atenção dos vizinhos e as pessoas. A sala era pequena, mas foi espaço suficiente para mais de 10 pessoas. Cada um achou um lugar para se sentar no tapete. A princípio, deu para perceber um pouco de preocupação no ambiente. Muitos deles não se conheciam. O tempo de louvar a Deus começou, tudo na língua local, e pudemos sentir como clima mudou. As canções, que no início eram quase sussurradas e tímidas, foram ganhando fervor e mais volume. De repente, fomos inundados com liberdade, paz e muita alegria.

Naquela reunião não havia ninguém para conduzi-la, e por unanimidade decidiu-se que o melhor era se apresentar, dar uma palavra ou relatar como foram encontrados pelo nosso Mestre. A grande maioria decidiu compartilhar suas histórias, e foi um momento de muitas lágrimas de alegria. Eles mesmos perceberam que não estavam sozinhos, mas que o Senhor os havia chamado para fazerem parte de uma família. Eles também compartilharam suas lutas e anseios. O encontro durou mais do que o esperado, mas ninguém queria deixar a casa, e todos saíram daquele lugar cobertos de oração e forças para seguir em frente. Outro detalhe muito importante é que conseguimos ter uma boa refeição juntos. Um doce momento de comunhão!

Depois daquele encontro, outros vieram, até que uma noite a casa daquela família Queniana foi invadida de madrugada. Pudemos ver a mão protetora de Deus: os vizinhos relataram que viram os ladrões armados com machados, porém eles não perceberam que a família estava dormindo no telhado e não sofreram nenhum dano. Depois desse incidente, tivemos que encontrar outro lugar para nos reunirmos. Anos depois, a casa de outro de nossos colegas, onde costumávamos nos reunir para nossos cultos, foi apedrejada por jovens estudantes da mesquita mais próxima. Nesse tipo de situação, não é útil registrar uma queixa na polícia porque eles não faram nada a respeito.

Com o tempo, decidimos que o melhor era mudar constantemente os locais de reunião com os locais. Em várias ocasiões, famílias estrangeiras ricas permitiram que nos reuníssemos em suas casas. Vários de nossos treinamentos reuniram não só nossos irmãos locais, mas também a grande maioria dos voluntários que trabalham no país. Certamente, estarmos todos nós juntos era muito perigoso. Se alguém nos denunciasse, provocaria um grande problema, mas sempre vimos o cuidado do Pai. Lembro que, em um desses encontros, houve muita resistência de alguns colegas, mas naquela ocasião mais de 40 pessoas se reuniram. Foi um culto onde houve reconciliação, e pudemos até testemunhar como Deus respondeu à oração de um irmão orando pela cura de um homem que havia perdido mais de 70% da visão.

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

C. – missionária no Chifre da África

Por Missão Zero

quarta-feira, 14 julho 2021
Mais da MZ
Até a última vila

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

ler mais

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

Comunicação além do Like

Saber aonde está alicerçado e quais as suas verdades são pontos fundamentais para começar um processo de comunicação. Esse conhecimento vai ajudar você a criar uma identidade e uma narrativa coerente com a realidade do emissor. É nessa etapa também que nos confrontamos com a palavra planejamento. Falando de igreja e missão, esses dois pontos são fundamentais: autoconhecimento e planejamento.

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Negócios e plantação de igrejas: feitos um para o outro!

Não, o modelo missionário de Paulo não era “convencional”. Ele já havia demonstrado em Corinto, em Atos 18:1-4, sua fé na importância e poder das profissões no ministério, e sua convicção de que Deus não chama todos os Seus filhos para um ministério de tempo integral, mas que os chama a ministrar por tempo integral, elevando suas profissões a um contexto de ministério. Isso é especialmente verdade quando se trata de negócios.

Revisão preventiva

Atuar na missão de Deus em nossos dias tem passado por uma revisão. A igreja que quer ser igreja mesmo, ou seja, a igreja que quer viajar cada vez mais longe, precisa passar por esse processo. Ao pegar a estrada, plantando igrejas pelo caminho, não pode esquecer do que é central.

Disrupção

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.