Há 6 anos minha esposa Débora e eu mudamos para o sul do Ceará. Nosso sonho de sermos missionários começava a tomar forma. Eu, catarinense que já tinha passado por dois estados do Nordeste, acreditava que o Nordeste era tudo igual. Débora, como pernambucana, sabia que o Ceará não tinha a mesma cultura que Pernambuco. Logo descobri que Pernambuco é diferente do Ceará e que a cultura nordestina é regada de muitos sotaques diferentes, assim como gostos culinários e ênfases religiosas diversificadas.

Mas, então, como posso levar a mensagem de Jesus quando existem barreiras culturais? Atos 2 pode nos dar respostas que ajudam a entender os desafios do campo:

Ouvindo-se este som, ajuntou-se uma multidão que ficou perplexa, pois cada um os ouvia falar em sua própria língua. Atônitos e maravilhados, eles perguntavam: “Acaso não são galileus todos estes homens que estão falando? Então, como os ouvimos, cada um de nós, em nossa própria língua materna? (Atos 2.6-8, NVI).

Os apóstolos e discípulos de Jesus estavam vivendo um momento crucial em suas vidas, uma experiencia que dividiria o antes e depois na vida de muitos deles. Esta impactou também a igreja que estava nascendo e consequentemente o povo que estava ao redor. Os seguidores de Jesus tiveram a oportunidade de provar de dons espirituais que antes não tinham vivido, como o de falar em línguas. O momento em questão nos aponta a uma ação direta do Espírito Santo sobre a vida dos discípulos e apóstolos, e que resultaria na conversão de muitos outros que presenciaram essa experiência.

Isso me deixa muito claro duas situações aqui vividas e que mudam a perspectiva de vida missionária de um cristão:

Primeiro: Dependemos da ação do Espírito Santo

A ação do Espírito Santo é crucial dentro da missão. Dependemos da ação do Espírito Santo para que sejamos capacitados e usados por aquele que nos chamou.

“De repente veio do céu um som, como de um vento muito forte, …” (Atos 2.2a) “Ouvindo este som…” (Atos 2.6a)

As pessoas foram impactadas e expostas ao evangelho naquele momento. Percebam, o Espírito Santo não estava agindo apenas na vida dos discípulos e apóstolos, mas naquele local havia pessoas de tantas culturas e nações presenciando que ficaram maravilhadas com o que estava acontecendo.

Nossa vida cristã não pode ser algo independente. Precisamos levar o evangelho a pessoas de dentro e fora da nossa cultura. Precisamos tornar as boas novas de Cristo conhecidas em nosso ambiente de trabalho, faculdade e lugares que frequentamos. Para isso, precisamos da ação do Espírito Santo. Podemos até ser movidos de uma grande boa vontade, mas quem evidencia o evangelho, quem impacta os corações é Ele, não nós. Nós somos uma ferramenta nas mãos do Deus que nos convocou à missão.

Segundo: Precisamos romper a barreira da cultura

“…pois cada um os ouvia falar em sua própria língua”. Atos 2.6

Trata-se de permitir que o evangelho seja comum (inteligível). Quando chegamos na cidade do Crato, no sul do Ceará, nos deparamos com um povo que fala rápido. Por vezes, precisávamos pedir que falassem mais devagar, para que pudéssemos acompanhar. Interessante que eles estavam falando a mesma língua que nós, o português, mas havia uma construção e frases diferenciadas, com termos usados que para nós eram desconhecidos. Até tentávamos aplicar novas palavras em nosso vocabulário, mas por vezes sem sucesso.

André Sousa, missiólogo e antropólogo, com experiência entre a etnia indígena WaiWai. Escreveu certa vez: “Falar de comunicação cultural ou transcultural não significa somente a compreensão de uma “gramática linguística”, mas também de uma “gramática cultural”. Dentro do desafio da língua existe um desafio cultural. É necessário que ambas sejam compreendidas para que o evangelho faça sentido.

Percebemos que não era necessário apenas falar como eles, mas viver como eles viviam. O Espírito Santo foi agindo nos momentos em que jogávamos futebol, almoçávamos, riamos e chorávamos com eles.

As expressões começaram a vir de forma automática. Nós tivemos o privilégio de ver um povo sendo impactado por intermédio do Espírito Santo quando decidimos estar dentro da vida dos cearenses.

O evangelho precisa ser anunciado de forma clara dentro do contexto cultural. Amamos ouvir das pessoas quando voltamos para nossa cidade que dizem que estamos falando igual aos nordestinos. Para nós, é um sinal de que o Espírito Santo está agindo, como fez em Atos 2.

Romilto de Brito Cardoso

Por Missão Zero

quarta-feira, 09 dezembro 2020
Mais da MZ
Histórias transformadas

Histórias transformadas

A verdade é que se autoridade fosse nossa, a mensagem de Cristo estaria perdida. E o grande milagre é que apesar de nós, o Espírito Santo ainda muda histórias. Para Cristo agir através de nós, Ele primeiro age em nós. A questão é: “você está se permitindo ser moldado pelo Espírito Santo?”.

ler mais

Que recompensa a obediência traz?

Se obedecermos ao chamado de Deus para servi-Lo em Sua missão, que recompensa ganharemos? Alguns ensinam que a obediência a Deus nos trará segurança, riqueza e saúde. A sociedade nos verá como cidadãos bons e respeitáveis. Se fizermos o bem para Deus e para as pessoas, obteremos o bem de Deus e das pessoas. Mas isso é verdade?

Histórias transformadas

A verdade é que se autoridade fosse nossa, a mensagem de Cristo estaria perdida. E o grande milagre é que apesar de nós, o Espírito Santo ainda muda histórias. Para Cristo agir através de nós, Ele primeiro age em nós. A questão é: “você está se permitindo ser moldado pelo Espírito Santo?”.

Acabou! E agora?

É no exercício diário das nossas tarefas e na resolução constante de nossos problemas que vamos ganhando a força que a perseverança nos traz. Uma força que, integrada à nossa personalidade, nos deixará inevitavelmente mais maduros e íntegros.

A Estrela

Deus já havia prometido ao seu povo que um dia uma criança viria ao mundo para mostrar a todos o quanto o Criador nos amava. E quando então chegou a hora do menino nascer, os seres celestes celebraram como nunca antes: uma nova era estava começando. Um novo e verdadeiro caminho para os homens poderem desfrutar da comunhão plena com o seu Senhor.

Vivendo com a Bíblia

Um crescimento saudável dos cristãos e das igrejas passa por algo simples e essencial: leitura diária da Bíblia. Um discípulo de Jesus se alimenta da Palavra! Agora, uma notícia simples e animadora: se lermos a Bíblia 15 minutos ao dia, a leremos toda em um ano!

Cultura e Espírito Santo

Nossa vida cristã não pode ser algo independente. Precisamos levar o evangelho a pessoas de dentro e fora da nossa cultura. Precisamos tornar as boas novas de Cristo conhecidas em nosso ambiente de trabalho, faculdade e lugares que frequentamos. Para isso, precisamos da ação do Espírito Santo.

Centrifugando

A igreja é benção onde ela está e atrai pessoas pelo que é e por meio da vida de cada cristão. Ainda assim, a igreja é enviada e vai até os confins da terra para testemunhar da mensagem do Evangelho.

Invista como um especialista

Tenho a impressão de que nos últimos tempos estou sendo bombardeado de propagandas dizendo: invista seu dinheiro conosco. Outras propagandas prometem fazer seu dinheiro render de forma extraordinária. Agora, chegou a minha vez de dar algumas dicas de investimento para você!

Tempo perdido

Nosso desejo de controle do tempo é um perigo, pois nos faz supor que temos uma grande autonomia, nos faz crer que somos capazes de controlar o que na verdade não somos, e a crer que tudo aquilo que acontece fora do nosso cronograma é um sacrifício ou um problema.

Igreja que acolhe

Um refugiado busca aqui o que lhe foi usurpado: dignidade, proteção e segurança. Situação básica que cada um de nós também busca e a Igreja é convocada por Deus a responder ativamente. Venezuelanos não são merecedores de pena, mas sim necessitam de dignidade, como eu e você.

Mais do que uma oportunidade, uma responsabilidade

À medida que enfrentamos uma crise após outra, nós, a igreja, devemos aceitar nossa responsabilidade de nos levantar e ser uma bênção, um exemplo e uma esperança para outros. Agindo dessa forma, estamos mais propensos a manter nossas prioridades em ordem.

The Croods

Aprendemos com a família Crood que precisamos nos reinventar. Juntos, eles enfrentam grandes desafios e se adaptam à uma nova era. Agora, chegou a nossa vez. Nossas vidas sofreram uma grande transformação e a maneira como vivemos igreja mudou e vai mudar mais ainda.

Acabou! E agora?

Acabou! E agora?

É no exercício diário das nossas tarefas e na resolução constante de nossos problemas que vamos ganhando a força que a perseverança nos traz. Uma força que, integrada à nossa personalidade, nos deixará inevitavelmente mais maduros e íntegros.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.