A África é um continente grande e heterogêneo, com lugares de extrema pobreza e também com alguns países desenvolvidos.  A população é de 1.315.679 (um bilhão e 315 milhões), com 3.702 povos diferentes, dentre os quais 998 povos não alcançados (28,6% da população: cerca de 375.907 pessoas). O Projeto Joshua estima que seriam necessários 7.900 novos missionários na África para que essas pessoas todas tivessem a oportunidade de ouvir falar do evangelho. Uma estimativa simples que não leva em consideração as particularidades de cada povo, mas que serve para mostrar que ainda falta muito a ser feito. Sem dúvidas, boa parte desse trabalho pode também ser feito por missionários oriundos de diversos países africanos.

No arquipélago onde moramos existem cerca de 1 milhão de habitantes. De acordo com o Joshua Project, apenas 20 novos missionários já “dariam conta do recado”. Na realidade, precisaríamos de muito mais pessoas trabalhando e compartilhando do evangelho para que ele se torne acessível à população geral.

Lucas 10.2: “a colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores”. Embora muitos não queiram ser colhidos, o nosso desafio ainda é compartilhar com todos, sem tentar decidir de antemão quem vai ou não vai ser salvo.

Desafios comuns do trabalho transcultural (religioso ou não)

  1. Isolamento geográfico: a África é longe e custa muito caro para chegar lá. Numa emergência, levaríamos três ou quatro dias para chegarmos de novo no Brasil.
  2. Isolamento cultural: devemos ser cuidados com a tendência de padronizar a cultura de um continente todo, sobretudo quando 3.702 povos possuem diferentes culturas. Em trazer para a África um adulto, brasileiro, com sua cosmovisão “formada”, estamos nos preparando para colocá-lo em uma situação de estresse. Projetos de curto prazo e turismo para experimentar o lado “exótico” da África nas férias é algo muito divertido, mas precisar morar aqui e ter que se adaptar ao peso que essas diferenças e complexidades têm sobre nós não é algo muito fácil. Por fim, adaptação à cultura local é e sempre será um desafio enorme para o trabalho na África.
  3. Treinamento cultural e em missão: a falta de preparo para o trabalho transcultural acaba por causar inúmeros danos, mesmo em casos de pessoas que sejam cristãos sérios e maduros nos seus países de origem. É fundamental estarmos prontos para saber como adaptar as estratégias (contextualizar) de evangelismo e discipulado. Não podemos mais cometer erros como fazer uma cruzada evangelística num país muçulmano, ou também fornecer a fórmula “evangelho e assistencialismo” em locais de pobreza extrema (onde todos dirão sim para Jesus apenas enquanto ele vier acompanhado dessa ajuda: acabou o arroz, acabou a fé em Cristo). Além disso, temos que estar dispostos a passar tempo aprendendo um novo idioma, e muitas vezes dois ou três.
  4. A dificuldade de termos um suporte espiritual, emocional e financeiro:
  5. a) precisamos ser nutridos por diferentes fontes teológicas, pessoas sérias que orem por nós e nos encorajem no nosso chamado. O envio da igreja ratifica o chamado do missionário, principalmente em momentos de dificuldade. Não esqueçam que a batalha espiritual é vivida de forma mais evidente quando estamos na linha de frente.
  6. b) Prestação de contas: o missionário precisa sempre ser lembrado de que ele não está sozinho, que existe uma organização por trás do trabalho que estará acompanhado o seu trabalho.
  7. c) Suporte financeiro: quase todos os missionários que conhecemos estão abaixo do alvo do sustento que precisam levantar.
  1. Coríntios 4.7-15: Somos vasos de barro que carregam tesouros: pessoas imperfeitas, frágeis, que ainda estão sendo remodeladas por Deus a cada dia. Pressionadas por todos os lados, sendo desafiados a morrer para nós mesmos com o fim maior de alcançarmos mais pessoas e que, todos juntos, venhamos glorificar o nome de Deus.

Oportunidades:

  1. Em países “fechados” para missionários ou evangelistas tradicionais, é necessário pensarmos em termos um acesso criativo: por isso temos » BAM « (Business as Mission, ou os conhecidos Fazedores de Tendas). Há espaço para quase todas as profissões serem usadas no continente inteiro.
  1. Ainda existem oportunidades em países abertos para o Missionário “teólogo” tradicional. Temos amigos que trabalham no Quênia com os grupos de refugiados oriundos de países fechados ao evangelho, que estão numa situação de diáspora. Outros missionários ainda podem escolher morar onde ninguém quer ir, como nos desertos e savanas africanos.
  1. Há também oportunidades para professores de teologia que queiram se envolver no treinamento de pastores e missionários africanos. Esse é um modelo reprodutível no qual o africano não precisa ir até os EUA para aprender teologia.

*Parcerias com outras igrejas que já estão funcionando. Embora a “nossa” organização esteja se especializando em enviar missionários para povos não alcançados, ainda há trabalho para pessoas que queiram se envolver com a igreja local e motivá-la a ser eficaz no seu próprio contexto.

Há muitas oportunidades. As portas estão abertas para pessoas que investem suas vidas em outras vidas. Pessoas que queiram compartilhar das boas novas do evangelho com as pessoas ao seu redor, sejam elas de culturas ou religiões completamente diferentes, ou não. Pessoas carentes de Cristo precisam de outras pessoas que tenham sido tocadas por ele que estejam dispostas a compartilhar!

sexta-feira, 19 julho 2019

Encontro de Lideranças

22 e 23 de junho, em Porto Alegre/RS

Encontro de Obreiros

24 a 27 de junho, em Florianópolis/SC

Mais do ME

Alegrias em ser uma Comunidade mãe

Alegrias em ser uma Comunidade mãe

A Alegria de encontrar um propósito para além de si mesmo. Perceber que a fé é um ato multiplicador na vida de pessoas, mas também de novas igrejas. Não é fácil, dá muito trabalho. Mas a cada nova pessoa há uma nova alegria.

ler mais

Não é sacrifício, é privilégio!

Nós podemos aprender lições preciosas com as igrejas da Macedônia. Para essas igrejas, ofertar e investir na causa do reino de Deus não era um sacrifício, mesmo que representasse um esforço enorme e um desprendimento admirável. Ainda assim, não se travava de um sacrifício, mas um privilégio!

Alegrias em ser uma Comunidade mãe

A Alegria de encontrar um propósito para além de si mesmo. Perceber que a fé é um ato multiplicador na vida de pessoas, mas também de novas igrejas. Não é fácil, dá muito trabalho. Mas a cada nova pessoa há uma nova alegria.

A responsabilidade de uma Comunidade mãe

Plantar novas igrejas é a própria natureza da igreja de Jesus, é o testemunho histórico do cristianismo. Novas igrejas trazem vitalidade e ânimo, bem como cooperam para o cumprimento da grande comissão.

Passos para se tornar uma Comunidade mãe

Uma nova comunidade pode ser mais leve, ágil, adaptável e penetrar em novas áreas ou públicos com maior facilidade. Ampliando nosso horizonte vamos compreender que igrejas diferentes alcançam pessoas diferentes, em lugares diferentes.

A Comunidade mãe e sua importância

Toda comunidade saudável tem a capacidade de ser uma comunidade mãe. Talvez mais do que isso, pelo compromisso de levar o evangelho a todas as pessoas, em todos os lugares, tenham o dever de ser comunidade mãe, ou pelo menos participar ativamente da plantação de novas comunidades.

Vida e trabalho em missão

Ore ao Pai pelas oportunidades de compartilhar em seu local de trabalho. Procure oportunidades de compartilhar as verdades do evangelho durante seu dia de trabalho.

O Covocacionado e suas vantagens na plantação de igrejas

É necessário que comecemos a falar sobre a importância de pessoas covocacionadas no pastoreio de igrejas já existentes, como também na plantação de novas.

Vocação e Evangelho na missão pelo mundo

Nem a profissão nem o ministério devem definir o que é um “fazedor de tendas”. Ele deve ser alguém que sabe que é um filho amado de Deus. Uma pessoa impactada pela mensagem do evangelho de tal maneira que esteja disposta a reproduzi-la com naturalidade mesmo estando bem longe da sua zona de conforto.

Covocacionados?

Quando compreendemos o nosso trabalho como vocação de Deus, as nossas perspectivas são totalmente mudadas. Percebemos que, dentro da nossa realidade, já somos missionários atuantes, quando obedecemos a ordem e envio de Jesus Cristo. Não é somente o trabalho de um pastor ou de um missionário que é definido por vocação, mas também o de qualquer profissão, quando o cristão se deixa orientar por Deus.

Vocação pela missão de Deus!

O trabalho é parte da missão de Deus que Ele nos permite participar, também porque por meio dele alcançamos diversas pessoas que não conhecem a Cristo, mas porque ele agrada a Deus, e feito com justiça e dedicação manifesta sinais de seu reino. O trabalho não é só o meio que conseguimos recursos para ajudar aos missionários, mas um meio como todos nós somos missionários.

Em meio às turbulências, descanso!

Jesus Cristo chamou a Ele todos os “que estão cansados e sobrecarregados”, pois lhes dá descanso (Mt 11.28). Jesus novamente nos chama a Ele nesse tempo difícil. Talvez, em primeiro lugar nesse tempo de caos, precisemos encontrar descanso em Jesus, e lembrar do seu cuidado e da sua provisão.

Igreja em todas as circunstâncias

Deus continua agindo na história e agora enviou a sua igreja às suas próprias casas, nos mostrou o nosso serviço com as nossas próprias famílias e com a realidade bem próxima e concreta, com as necessidades imediatas dos nossos vizinhos.

A responsabilidade de uma Comunidade mãe

A responsabilidade de uma Comunidade mãe

Plantar novas igrejas é a própria natureza da igreja de Jesus, é o testemunho histórico do cristianismo. Novas igrejas trazem vitalidade e ânimo, bem como cooperam para o cumprimento da grande comissão.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.