Discipulado envolve ensinar, mas compreende também intencionalidade, direcionando a caminhada, o processo, para além do conhecimento. O discipulado saudável nos moldes de Jesus é relacional e transformacional. Ele gera transformações radicais e impulsionadoras na vida das pessoas. Quando olhamos para os discípulos de Jesus, facilmente conseguimos ver exemplos de transformação. Um desses discípulos que passou pelo “discipulado transformacional de Jesus” foi Pedro. A mudança foi muito além da de nome, que era uma prática comum entre os primeiros cristãos: significou uma nova vida; transformação de caráter. É impossível alguém ir até Jesus, caminhar em discipulado e continuar a mesma pessoa. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” Mt 16:17 -18

Para “fazer discípulos de Jesus” temos que, somado à concepção de ensino/transformação, estar prontos para o “trabalho pesado” que é manter verdadeira conexão com as pessoas. O discipulado transformacional é uma caminhada de envolvimento com pessoas. Jesus as convida para sua vida. O discipulado permite a elas caminhar com você e observar como você caminha com Jesus. O Pastor Sergio Schaefer sempre repete uma frase: “O discípulo nunca vai além do discipulador!” Num primeiro momento parece uma frase pretenciosa, mas ela é verdadeira. Não tem a ver com o discipulador e sim com a relação que se estabelece no discipulado. O discipulado transformacional permite que vejam seu caráter. Ele convida o outro a compartilhar de sua autoridade. Ele permite que pessoas vejam até suas fraquezas, uma parte importante do treinamento. Ao estarem cientes de seus erros, elas podem evitar armadilhas e obter sabedoria. Elas devem se sentir amadas, confiantes e desafiadas a mudanças. O discipulado é o vento em suas velas.

Muitos líderes têm medo do discipulado porque ele exige vulnerabilidade e transparência, e vulnerabilidade é a chave para a conexão. É impossível manter os discípulos à distância e discipulá-los ao mesmo tempo. Ou você permite que eles observem você de perto ou você renuncia à sua responsabilidade como pai ou mãe espiritual.

Paulo mostra à igreja de Corinto (1Coríntios 4.14-17) que existem milhares de mestres pagos entre eles dispostos a aceitar dinheiro por seus serviços, mas que não estão dispostos a serem pais. É impossível ser um pai na fé e se recusar a investir na vida de seus discípulos. Discipulado é responsabilidade prática, não algo que você pode delegar a mestres pagos. Se não estiver disposto a fazer o “trabalho pesado” do discipulado, você não é qualificado para ser um pai na fé.

No livro Caminhos Esquecidos, Alan Hirsch (P. 130) escreve: “A qualidade da liderança da igreja é diretamente proporcional à qualidade do discipulado. Se fracassamos na área de fazer discípulos, não devemos nos surpreender se fracassamos na área do desenvolvimento de liderança. Acho que muitos dos problemas enfrentados pela igreja na tentativa de cultivar liderança missional para o século 21 seriam resolvidos se concentrássemos a solução do problema em algo anterior ao desenvolvimento da liderança por si só, ou seja, primeiro o discipulado… A liderança, para ser Cristã genuinamente, deve sempre refletir a semelhança a Cristo e, portanto, o discipulado.”

As últimas palavras de Jesus nesta terra foram: “Vão e façam discípulos…” (Mateus 28.19). Ele não nos instruiu a fazer fiéis, membros da igreja, cristãos ou pessoas boas, mas discípulos. Ele disse aos seus discípulos: “Sigam-me” e não “Ouçam as minhas pregações às multidões”, ou “Participem de minhas aulas de discipulado”. Jesus mostrou o que significa ser um discípulo, e, então, os instruiu a fazer o que Ele fez. E o que é ainda mais importante, ele lhes mostrou quem é o Pai.

Eder A. Bartz

Por Missão Zero

quarta-feira, 22 julho 2020
Mais da MZ
Discípulo presente

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

ler mais

Vocação para muito mais que manutenção

Quando uma comunidade de discípulos de Jesus redescobre sua vocação essencial através do Evangelho, o Espírito Santo os capacita a viver a missão de Deus. Com esse projeto de comunidade o próprio Deus tem um compromisso.

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

Ser igreja é ter propósito

Quem estabeleceu o propósito de a igreja existir e nos chama a fazer parte desse propósito é o próprio Deus. Por isso, quando falamos sobre igreja, precisamos nos voltar primeiramente para Deus e perguntar como ele mesmo define a igreja em sua essência.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Mas se pararmos para pensar, esse termo não é novo. O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

A missão da Liga da Justiça

Embora eles já tenham passado por várias mudanças ao longo dos anos e tenham se dividido e se reunido inúmeras vezes, sempre que as fichas foram lançadas e a terra precisou de seus maiores heróis juntos nas linhas de frente, a Liga da Justiça sempre respondeu ao chamado para o dever.

O desafio da missão aos jovens

Como a igreja pode “concorrer” com tantas alternativas oferecidas no mundo virtual? Afinal, não se trata apenas dos jovens (que são uma faixa-etária essencial à igreja), mas destes que além de já serem igreja hoje, serão igreja por muito tempo pela frente. Se a igreja não alcançar os jovens hoje, quem será a igreja daqui a 15, 30 ou 50 anos?

O terminal

É nos lares que a igreja pós-pandemia se fortalecerá e se desenvolverá. Líderes/pastores sábios irão cooperar com esta tendência ao invés de competir com ela: eles precisarão capacitar os membros para serem ministros de suas famílias e vizinhanças.

Visão 5030

Queremos plantar igrejas pois compreendemos que essa é a melhor forma de levar a mensagem do Evangelho de Jesus Cristo aos mais diversos lugares e contextos. Igrejas significativas e relevantes à cultura podem alcançar pessoas de diferentes gerações, tradições e grupos socioeconômicos, além de impactar positivamente a sua região.

Uma jornada extraordinária!

Os cristãos da igreja primitiva se reuniam em suas casas para terem comunhão “uns com os outros”, para ministrarem orações uns pelos outros, para comerem juntos e para compartilharem a Palavra. Não se reuniam apenas para estudar ou ouvir alguém dando sermões. Tudo o que faziam era parte do novo estilo de vida gerada por Cristo em suas vidas.

Um convite que vale a pena!

Quando você faz parte de uma plantação de uma igreja, você vê claramente aquele Evangelho que você pensou que não tinha “tanto” poder mudar a vida da pessoa com a qual você está convivendo. A transformação acontece na sua frente e você lembra que “o Evangelho de Jesus tem poder”.

Por que plantar igrejas?

Na Grande Comissão, Jesus não somente convoca seus discípulos para fazerem outros discípulos, mas diz para que façam discípulos, batizem e ensinem. Os desafios evangelísticos do Novo Testamento não são simplesmente para compartilhar a fé, mas são chamados para a plantação de igrejas.

Deus capacita os disponíveis

Se você parar pra pensar, a maioria das tarefas realizadas que se tornam extraordinárias, ou até mesmo “ordinárias”, não são realizadas por alguém com um chamado especial pra isso, mas sim por alguém que se colocou à disposição.

Ser igreja é ter propósito

Ser igreja é ter propósito

Quem estabeleceu o propósito de a igreja existir e nos chama a fazer parte desse propósito é o próprio Deus. Por isso, quando falamos sobre igreja, precisamos nos voltar primeiramente para Deus e perguntar como ele mesmo define a igreja em sua essência.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.