Quais são os maiores ídolos que ameaçam a igreja em nossos dias?

Michael Goheen: uma das coisas que nós temos que perceber é que os ídolos não são coisas individuais que ficam uma ao lado da outra. A idolatria vem em uma embalagem complexa, e a resposta para essa pergunta é a de que existem cinco ou seis ídolos e explicar como eles se desenvolveram em suas histórias particulares. É impossível definir isso em um pequeno texto.

Eu diria que a história que se desenvolveu nos últimos dois séculos na Europa e na América do Norte está agora se espalhando pelo mundo devido à globalização. Nós precisamos entender essa história, uma história em que nós temos confiança suprema na pessoa como indivíduo autônomo; nós temos confiança na razão humana, especialmente quando disciplinada por um método científico. Isso é o que nos leva à verdade, e quando entendemos essa verdade podemos aplicá-la tecnologicamente, aí então podemos controlar nosso mundo; podemos aplicá-la na sociedade e construir uma sociedade mais racional. Esse é o tipo de visão que por duzentos anos vem formando a América do Norte e a Europa e que agora se espalha pelo mundo.

O que acontece é que essa história tem se tornado cada vez mais uma história econômica. É uma história da maneira que a ciência e a tecnologia permitem a nós colocar certo sistema econômico em vigor, e sermos capazes de desenvolver uma economia crescente. Nossas economias cresceram, especialmente no século XIX, tão rápido, que tivemos que realmente adotar uma sociedade de consumo, para sermos capazes de vender todos os bens que estávamos produzindo com nossa industrialização. Eu diria que na parte final do século XX e agora no século XXI, o consumismo é o ídolo maior.

Quando eu digo consumismo, eu não quero dizer apenas comprar coisas e eu não quero dizer apenas consumir experiências, apesar de que essa seria a forma que entenderíamos isso. Certamente o consumismo é comprar coisas, e certamente é comprar coisas demais, e certamente é consumir experiências. Entretanto, é mais do que isso, é a maneira como a nossa cultura foi construída, organizada em volta do consumo, de tal forma que os nossos dias de vida são executados em consumir experiências e bens e conseguir dinheiro o suficiente para ser capaz disso. Eu diria que a visão de mundo do consumo está crescentemente engolindo todas as partes da vida humana. Isso é certamente o caso da América do Norte e da Europa, mas está se espalhando pelo mundo através da religião missionária da globalização.

Estreitamente conectado com isso – pois é grande parte da cultura de consumo – está a tecnologia. É um maravilhoso presente de Deus que já nos deu muito, e seria tolo tentar denunciar a tecnologia, por causa daquilo que faz por nós (você está lendo esse texto devido à tecnologia). O problema é que ela está destruindo nossas vidas, pois nós a vemos como algo que pode fazer muito mais do que ela foi criada a fazer, e estamos nos tornando viciados nisso e nos tornando cativos dos nossos celulares, destruindo relacionamentos.

Alguns dias atrás eu vi um casal sentado junto num restaurante. Os dois estavam nos seus celulares por uma meia hora, e nem por uma vez chegaram a conversar um com o outro. Nossa tecnologia está nos fazendo estúpidos, destruindo e trivializando nossas vidas, e nós precisamos nos dar conta disso e perceber como podemos usá-la como um bom presente.

Quando falamos sobre ídolos, é muito importante fazer uma ressalva: um ídolo é sempre uma boa parte da criação. Tecnologia é uma boa parte da criação, consumir experiências e bens é o que Deus intencionou em Gênesis 1, que nós pudéssemos “deleitar e aproveitar a criação, e agradecê-lo por isso”. Acredito que é importante perceber que um ídolo é quando nós começamos a pegar algo bom da criação e orientamos nossas vidas em comunidade ao redor disso. Começamos a organizar todas as instituições e costumes das nossas vidas em torno desse ídolo, e então o ídolo, através de poder demoníaco e do que está em nossas cabeças, nos domina, nos agarra, nos escraviza e nos destrói.

A bondade da criação de Deus acaba sendo algo que pode ser destrutivo. Uma igreja missional seria uma Comunidade distinta que pode se deleitar nessas coisas, mas ao mesmo tempo começar a reconhecer onde acontece a idolatria e formar pessoas que são distintas, que usam a tecnologia sabiamente, que se deleitam no mundo de Deus e o agradecem por isso, mas sabem viver de forma simples, dizendo: eu tenho o suficiente.

*Texto adaptado de entrevista concedida por Goheen em 2017, durante participação no Encontro de Obreiros do Movimento Encontrão. Michael W. Goheen é diretor de educação teológica e pesquisador residente no Missional Training Center, em Phoenix, Arizona, nos Estados Unidos. Ele é autor de diversos livros, entre eles “A Igreja Missional na Bíblia” e “A Missão da Igreja Hoje”.

Por Missão Zero

sexta-feira, 15 novembro 2019

Mais do ME

Educação na teologia missional

Educação na teologia missional

nós precisamos conhecer a nossa cultura, pois nunca enviaríamos alguém para outra parte do mundo até que esta pessoa conhecesse bem a cultura, e ainda assim nós enviamos os nossos pastores a culturas que eles não conhecem, pois eles estiveram em briga com a cultura a sua vida inteira. Estudos culturais são fundamentais.

ler mais

3 passos para uma noite especial: Passo 1 – Ore!

Queremos ajudar você a preparar essa noite tão especial! E, mais do que isso, gostaríamos de convidar você a tornar essa noite, além de inesquecível, marcante na vida e nos corações das pessoas que estarão com você. Estes passos lhe ajudarão a tornar a mensagem do natal clara para os seus convidados.

Educação na teologia missional

nós precisamos conhecer a nossa cultura, pois nunca enviaríamos alguém para outra parte do mundo até que esta pessoa conhecesse bem a cultura, e ainda assim nós enviamos os nossos pastores a culturas que eles não conhecem, pois eles estiveram em briga com a cultura a sua vida inteira. Estudos culturais são fundamentais.

A Reforma protestante e a igreja missional

E importante manter tradições; é uma parte da criação. É importante quando ideias são ganhas pela igreja num período particular de tempo, e então nós precisamos mantê-las. Quando tentamos ser conservadores no sentido de se prender e viver no passado, aí é perigoso. Nós temos que viver no presente, e precisamos perguntar: o que é que existe hoje que precisa ser mudado ou resolvido?

Ídolos dos nossos dias

Uma das coisas que nós temos que perceber é que os ídolos não são coisas individuais que ficam uma ao lado da outra. A idolatria vem em uma embalagem complexa, e a resposta para essa pergunta é a de que existem cinco ou seis ídolos e explicar como eles se desenvolveram em suas histórias particulares.

Missionário Mateus participa de evento da Federação Luterana Mundial

Relato de viagem do Missionário Mateus Pereira: “Estive representando o lado luterano da Igreja Protestante Unida da França, na consulta global da Federação Luterana Mundial intitulada ‘Cremos no Espirito Santo: Perspectivas globais sobre identidades luteranas”.

Metanarrativa bíblica

A Bíblia conta uma história que começa em criação: esse é o começo de toda a história. Ela termina com uma nova criação, no Reino de Deus, na restauração e consumação de todas as coisas. Isso é o final da história cósmica. Nós estamos falando sobre o começo e o fim da história do mundo.

Igreja Missional

Hoje inicia-se uma série que conterá cinco textos para o mês de novembro, denominada “5 respostas sobre Teologia Missional – com Michael Goheen”. Começamos com a temática “Igreja missional”. 

Somente a Graça

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Somente Cristo

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Somente a Escritura

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Somente a fé

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Relativismo

Jesus é a verdade porque é absoluto, é real independente de quem nele acredita ou não. Jesus vai muito além do relativo e é a própria verdade. Ele veio e venceu a morte para nos redimir, nos salvar de nós mesmos e do nosso pecado e nos levar até o Pai. Ele é a verdade que liberta!

A Reforma protestante e a igreja missional

A Reforma protestante e a igreja missional

E importante manter tradições; é uma parte da criação. É importante quando ideias são ganhas pela igreja num período particular de tempo, e então nós precisamos mantê-las. Quando tentamos ser conservadores no sentido de se prender e viver no passado, aí é perigoso. Nós temos que viver no presente, e precisamos perguntar: o que é que existe hoje que precisa ser mudado ou resolvido?

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.