Sempre que enfrentamos uma crise como essa que estamos enfrentando, eu escuto muitos de meus companheiros cristãos e líderes de igreja respondendo com “isso é uma oportunidade para a igreja.”

Eu entendo de onde vem esse sentimento. Eu até mesmo participei em algumas conversas úteis usando essa palavra (oportunidade). Mas ela sempre me faz estremecer um pouco.

Tempo de erguer-se

Palavras importam. Muito. Especialmente em tempos de crise. Eu proponho que a palavra “oportunidade” seja reconsiderada no nosso contexto atual.

Por exemplo, imagine recebendo um e-mail da Cruz Vermelha seguindo um desastre natural com um slogan que diz “esse desastre é uma oportunidade para a Cruz Vermelha!” Acho que não. Tal slogan tem tantos problemas, dentre os quais nada menos que colocar a Cruz Vermelha no centro da narrativa ao invés das vítimas que eles estão encarregados de ajudar.

Certamente a Cruz Vermelha existe para ajudar pessoas em circunstâncias desesperadas, e é exatamente nessas situações que eles se apresentam e brilham. Promover ajuda durante um desastre, no entanto, é menos uma oportunidade para a Cruz Vermelha do que é uma responsabilidade – uma que eles assumiram de boa vontade e suportaram bem. Precisa ser da mesma forma para a igreja.

Assumindo a responsabilidade

Ao invés de ver circunstâncias difíceis como uma oportunidade para a igreja, devemos vê-las como o que realmente são: uma responsabilidade.

À medida que enfrentamos uma crise após outra, nós, a igreja, devemos aceitar nossa responsabilidade de nos levantar e ser uma bênção, um exemplo e uma esperança para outros. Agindo dessa forma, estamos mais propensos a manter nossas prioridades em ordem.

Momentos difíceis como o nosso devem ser entendimentos pela igreja como uma responsabilidade para abraçar, não uma oportunidade a explorar. Fazendo isso, algumas mudanças tomam lugar:

– Primeiro, nós mesmos saímos do foco, colocando maior atenção onde é mais necessário – em Jesus e naqueles que ele nos chama a ajudar.

– Segundo, isso define melhor o nosso papel, não como uma instituição lutando por nossa própria sobrevivência, mas como pessoas trabalhando juntas para ajudar os mais vulneráveis. Incluindo as pessoas feridas de dentro de nossos próprios círculos.

– Terceiro, isso nos ajuda a estabelecer parcerias com outros que estão procurando uma forma de ser uma bênção.

– Quarto, isso reduz as possibilidades de sermos enganados por aqueles que procuram explorar uma tragédia para seus próprios fins.

– Quinto, isso nos torna mais humildes. É fácil encarar uma oportunidade como algo que fazemos por conta própria, mas é mais provável que uma responsabilidade nos coloque de joelhos em oração e dependência em Deus.

– Sexto, isso define o tom correto para todo mundo, de líderes e voluntários a observadores e céticos. Isso relembra todos nós que não estamos aqui para ser servidos, mas para servir.

Responder bem à uma crise é muito mais do que uma oportunidade, é uma grande responsabilidade.

 

* Título original: A Crisis is Not na Opportunity for the Church, It’s a Responsability

Autor: Karl Vaters

Tradução: Lucas Francisconi Flores

Karl Vaters

Por Missão Zero

quarta-feira, 04 novembro 2020
Mais da MZ

Faça parte do Multiplique!

Cresça em seu desenvolvimento pessoal e vocacional.
É hora de servir no Reino de Deus para juntos plantar igrejas e fortalecer comunidades.
Está pronto para dar o próximo passo na sua jornada de fé? O Multiplique está aqui para guiar você nessa missão!

Projeto missionário com a JUVEP – Faça parte!

Missão Zero está apoiando o 77° Projeto Missionário de Férias da Missão JUVEP que acontecerá na cidade de São José de Princesa- PB, de 05 a 22/01/2024

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

Os sinais os acompanhavam

Conforme pregamos e anunciamos a Cristo, sua palavra é confirmada. Tive o privilégio de muitas vezes, ao passar o filme Jesus, poder ver tais ocorrências, especialmente onde o evangelho está sendo proclamado pela primeira vez. Não foi diferente desta vez!
Durante o dia visitamos as famílias. Compartilhamos do evangelho e, no fim do dia, passamos o filme Jesus. Começamos o filme, a vila estava lá para assistir, de repente ouvimos um barulho. Já sabia: “tiros” – os ladrões de gado estão aqui! Algumas pessoas saíram correndo. Mais tiroteio….
A pessoas estava com os corações quebrados, mas o entendimento veio, o Espírito atuou e a palavra se confirmou com sinais, da necessidade do evangelho para mudar a realidade, de que a vida que levam não é o que Deus planejou.

Deus está trabalhando!

Queridos Irmãos, que a paz de Cristo esteja convosco!
Nesta última segunda-feira, celebramos a “Fety Pentecoste” aqui em Madagascar (A celebração de Pentecostes).
Depois de um tempo de refrigério e treinamento, nossos dias voltaram a ser muito ocupados novamente.
Deus está trabalhando!!!!
Obrigado por nos ajudar. Sem a sua oração e ajuda financeira não conseguiríamos.
Obrigado por ouvir o Espírito Santo.

Aproveite as oportunidades

“…aproveitem ao máximo todas as oportunidades.” Colossenses 4.5

Discipulado de mulheres é algo que a Jana sempre desejou fazer. E uma maneira que Deus abriu as portas foi através da costura.
Começamos o projeto em 2020. Por falta de recursos para este projeto, não pudemos realizá-lo de novo, pois entregamos as máquinas para abençoá-las ao final do curso, como forma de trazer novas oportunidades e dignidade para elas.
Este ano Deus abriu as portas! Conseguimos comprar todas as máquinas, tecidos … Que alegria! Um privilégio poder crescermos na fé e compartilharmos de Cristo com mulheres com uma vida tão árdua. Algumas nunca pegaram em uma tesoura. A concentração e o desejo de aprender está estampado nos olhos.
Todos os dias começando com o discipulado e depois temos a aula de costura.
Orem por elas! Para que conheçam a Cristo e possam ter suas vidas transformadas pelo evangelho.
Obrigada por aqueles que ofertam nas nossas vidas e, assim, os projetos possam continuar acontecendo em Madagascar! Trabalhemos enquanto é dia!
Que o nome de Cristo seja conhecido e glorificado!!

Missão em um parágrafo – Ribeirinhos

“Não sabia sobre a história de Débora na bíblia” e “Não conhecia nada sobre Dorcas” foram as palavras de algumas mulheres na comunidade em Vila Dedé. Elas estão muito interessadas em estudar sobre as mulheres da Bíblia.
Todos os sábados fazemos estudos. Tem sido uma benção ver o quanto elas desejam aprender com essas personagens. Deus seja louvado sempre!

Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele

Em um dos dias e momentos mais difíceis do ministério, me deparei com essa frase, em um dos melhores livros que tive o privilégio de ler nos últimos tempos: “Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele” (Andy Stanley).
Quando nos dispomos a obedecer ao chamado de Deus em qualquer área de nossas vidas, as trevas se levantam para tentar de alguma forma nos paralisar, nos fazer recuar e desistir.

Evangelismo e compaixão

Evangelismo e compaixão podem andar lado a lado. Seguir os passos de Cristo e ser compassivo é o cerne da cruz!

Missão em um Parágrafo – França

Leia as últimas notícias da Mission Jeepp, em Lyon/França e do casal de missionários, Mateus e Mariana.

Semana intensa entre os Bara

Grandes coisas tem feito o Senhor entre o povo Bara. A semana foi intensa, mas muito gratificante, com muitas atividades e evangelismo.

Missão em um Parágrafo – África

Em nossa ilha, na África, temos tido semanas de muitas interações interessantes, com o grupo de homens e com o trabalho da Rafaela, na escola.

Eu quero acreditar em quem você acredita

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.