Sempre que enfrentamos uma crise como essa que estamos enfrentando, eu escuto muitos de meus companheiros cristãos e líderes de igreja respondendo com “isso é uma oportunidade para a igreja.”

Eu entendo de onde vem esse sentimento. Eu até mesmo participei em algumas conversas úteis usando essa palavra (oportunidade). Mas ela sempre me faz estremecer um pouco.

Tempo de erguer-se

Palavras importam. Muito. Especialmente em tempos de crise. Eu proponho que a palavra “oportunidade” seja reconsiderada no nosso contexto atual.

Por exemplo, imagine recebendo um e-mail da Cruz Vermelha seguindo um desastre natural com um slogan que diz “esse desastre é uma oportunidade para a Cruz Vermelha!” Acho que não. Tal slogan tem tantos problemas, dentre os quais nada menos que colocar a Cruz Vermelha no centro da narrativa ao invés das vítimas que eles estão encarregados de ajudar.

Certamente a Cruz Vermelha existe para ajudar pessoas em circunstâncias desesperadas, e é exatamente nessas situações que eles se apresentam e brilham. Promover ajuda durante um desastre, no entanto, é menos uma oportunidade para a Cruz Vermelha do que é uma responsabilidade – uma que eles assumiram de boa vontade e suportaram bem. Precisa ser da mesma forma para a igreja.

Assumindo a responsabilidade

Ao invés de ver circunstâncias difíceis como uma oportunidade para a igreja, devemos vê-las como o que realmente são: uma responsabilidade.

À medida que enfrentamos uma crise após outra, nós, a igreja, devemos aceitar nossa responsabilidade de nos levantar e ser uma bênção, um exemplo e uma esperança para outros. Agindo dessa forma, estamos mais propensos a manter nossas prioridades em ordem.

Momentos difíceis como o nosso devem ser entendimentos pela igreja como uma responsabilidade para abraçar, não uma oportunidade a explorar. Fazendo isso, algumas mudanças tomam lugar:

– Primeiro, nós mesmos saímos do foco, colocando maior atenção onde é mais necessário – em Jesus e naqueles que ele nos chama a ajudar.

– Segundo, isso define melhor o nosso papel, não como uma instituição lutando por nossa própria sobrevivência, mas como pessoas trabalhando juntas para ajudar os mais vulneráveis. Incluindo as pessoas feridas de dentro de nossos próprios círculos.

– Terceiro, isso nos ajuda a estabelecer parcerias com outros que estão procurando uma forma de ser uma bênção.

– Quarto, isso reduz as possibilidades de sermos enganados por aqueles que procuram explorar uma tragédia para seus próprios fins.

– Quinto, isso nos torna mais humildes. É fácil encarar uma oportunidade como algo que fazemos por conta própria, mas é mais provável que uma responsabilidade nos coloque de joelhos em oração e dependência em Deus.

– Sexto, isso define o tom correto para todo mundo, de líderes e voluntários a observadores e céticos. Isso relembra todos nós que não estamos aqui para ser servidos, mas para servir.

Responder bem à uma crise é muito mais do que uma oportunidade, é uma grande responsabilidade.

 

* Título original: A Crisis is Not na Opportunity for the Church, It’s a Responsability

Autor: Karl Vaters

Tradução: Lucas Francisconi Flores

Karl Vaters

Por Missão Zero

quarta-feira, 04 novembro 2020
Mais da MZ
Somente a Escritura

Somente a Escritura

Assim como nossos pesos e medidas dependem de uma medida padrão, todo ensino na igreja precisa ser aferido na Sagrada Escritura. Todo sermão deve ser conferido pelo ensino da Bíblia. O que não está em sintonia com ela, não é palavra de Deus para nós.

ler mais

Somente Cristo

A igreja tem a dádiva e a tarefa de zelar para que, em todos os tempos, o nome de Jesus Cristo continue sendo proclamado de como o único nome – somente Cristo – que tem o poder de redimir o mundo todo que “que está debaixo do poder do Maligno” (1 Jo 5.19).

Somente a Escritura

Assim como nossos pesos e medidas dependem de uma medida padrão, todo ensino na igreja precisa ser aferido na Sagrada Escritura. Todo sermão deve ser conferido pelo ensino da Bíblia. O que não está em sintonia com ela, não é palavra de Deus para nós.

Somente a Fé

Só quem experimentou o amor pode falar dele e vivê-lo. Por isso, confiar que Deus nos ama torna-nos testemunhas desse amor. Conhecer e experimentar o amor de Deus nos compromete a fazer o mesmo lá onde nossa vida acontece. Por isso o apóstolo escreve que “Somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por meio de nós”.

A Missão Zero terá uma alteração importante na forma de trabalho. Multiplicamos! Contamos agora com uma equipe mais ampla de pessoas muito bem qualificadas no que fazem, e que viverão o ministério covocacionado também na secretaria da MZ. Saiba mais sobre esses Novos Rumos por meio do vídeo e do informativo que preparamos.

Educação na teologia missional

Nossa pedagogia tem frequentemente sido altamente racional; eu tenho conteúdo, o comunico a você; você memoriza, escreve em um papel em uma prova e aí está: boa educação. Bem, existem muitas pessoas que podem fazer isso e não se tornarem bons pastores. Eu acho que nós precisamos encontrar uma pedagogia que é mais orientada ao discipulado.

A Reforma Protestante e a Igreja Missional

Entender a Cristo como criador de todas as coisas, governante da história, sustentador de todas as coisas, reconciliador do mundo, o juiz final, o que será conhecido como Senhor de tudo e que já está reinando à direita de Deus – e que devemos submeter toda nossa vida ao Cristo que vive – esse é o Cristo que precisamos entender, conhecer, amar e servir.

Os ídolos dos nossos dias

É importante perceber que um ídolo é quando nós começamos a pegar algo bom da criação e orientamos nossas vidas em comunidade ao redor disso. Começamos a organizar todas as instituições e costumes das nossas vidas em torno desse ídolo, e então o ídolo, através de poder demoníaco e do que está em nossas cabeças, nos domina, nos agarra, nos escraviza e nos destrói.

A História que dá sentido a tudo

A Bíblia começa na criação e termina na nova criação. Ela mostra o significado da história do mundo, o propósito dessa história, e o objetivo disso. Nós encontramos isso revelado e centrado principalmente na pessoa de Jesus Cristo.

Igreja missional ou missionária?

Em Gênesis 12.2-3, a palavra “abençoar” tem um senso de “ser restaurado à humanidade plena”, onde o deleite e prosperidade do que significa ser humano é restaurado. Nós somos salvos do pecado e da miséria do mal. Quando somos abençoados, não é apenas para nosso bem, mas para abençoar outros.

Não é sacrifício. É privilégio!

Se a maioria das igrejas que investem em missão e plantação esperassem ter recursos sobrando ou condições para isso, muitos projetos e igrejas que realizam um belíssimo trabalho não existiriam. Pense nisso com carinho.

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

O covocacionado na plantação de igrejas

Covocacionados são vistos como pessoas que investem na sociedade, criando serviços, provendo educação ou empregando pessoas. Tal viabilidade gera respeito e abre portas para explicar porque somos diferentes e do porquê escolhemos assumir nossa posição no mercado de trabalho com base em valores bíblicos.

Somente a Fé

Somente a Fé

Só quem experimentou o amor pode falar dele e vivê-lo. Por isso, confiar que Deus nos ama torna-nos testemunhas desse amor. Conhecer e experimentar o amor de Deus nos compromete a fazer o mesmo lá onde nossa vida acontece. Por isso o apóstolo escreve que “Somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por meio de nós”.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.