Olá!

A Bara para Cristo

Nascido na região de Ianakafy, esse homem nunca havia ouvido de Jesus. Da tribo Bara, seguia toda a tradição dos ancestrais e vivia sob o pesado julgo dos espíritos.

Um dia, porém, foi convidado por um evangelista da igreja local para assistir ao filme Jesus. Impactado por ver o filme, a morte e ressurreição de Jesus, entregou-se à Cristo. Ao ser indagado porque ele se interessara em seguir a Jesus, disse que a primeira coisa que lhe chamou a atenção no filme, foi que: “ esse ‘homem estrangeiro’ falava sua língua (Bara)”.

A compreensão do evangelho se tornou mais clara ouvindo Jesus falar sua língua. Hoje, esse senhor, é Membro da Igreja Luterana Malagatsy em Ianakafy, vila Bara do Sul de Madagascar.

Onde queremos chegar e como você pode fazer parte.

Nosso objetivo

10k+

histórias mudadas

2030

ainda temos 9 anos

R$48k

 investimento necessário

Podemos mudar mais muitas histórias, mas para fazer isso, precisamos de você. Venha junto!”

Mauro Westphal

A MZ faz parte da nossa história com Cristo e é com muita gratidão que somos parceiros desse trabalho, por saber que ele é conduzido por pessoas fiéis e comprometidas com o Reino, e por desejar que mais pessoas cheguem à fé e sejam transformadas como um dia também fomos.

Doadores da MZ

Nosso Blog

Faça parte do Multiplique!

Faça parte do Multiplique!

Cresça em seu desenvolvimento pessoal e vocacional.
É hora de servir no Reino de Deus para juntos plantar igrejas e fortalecer comunidades.
Está pronto para dar o próximo passo na sua jornada de fé? O Multiplique está aqui para guiar você nessa missão!

Eu quero acreditar em quem você acredita

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.