“Você precisa ajudar, fazer esse sacrifício pela missão!”. Muitas vezes esse argumento é usado para motivar igrejas e pessoas a apoiarem projetos de missão e plantação de igrejas. Apesar de ser um argumento convincente, ele não é o mais apropriado para o engajamento missionário.

Apoiar e investir na missão de Deus e na expansão do seu reino neste mundo não deveria ser visto como um sacrifício, mas como privilégio.

Paulo expressa essa verdade em 2 Coríntios 8.1-4: Agora, irmãos, queremos que vocês tomem conhecimento da graça que Deus concedeu às igrejas da Macedônia. No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade. Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam, e até além do que podiam. Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos (2 Coríntios 8.1-4 – NVI).

A igreja de Jerusalém enfrentava um período difícil e de grande crise. Havia uma necessidade urgente de auxílio às pessoas em dificuldades e situação de pobreza. Paulo assume a tarefa de mobilizar igrejas para prestarem apoio aos cristãos de Jerusalém. Certamente ele esperava que igrejas que contavam com membros em melhores condições financeira assumissem essa ajuda. Ele acaba, porém, sendo surpreendido pela generosidade das igrejas da Macedônia. Essas igrejas não eram as mais ricas e nem estavam numa situação financeira confortável. Ainda assim, no meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade, e eles insistiram pelo privilégio de participar da assistência aos santos.

Nós podemos aprender lições preciosas com as igrejas da Macedônia. Para essas igrejas, ofertar e investir na causa do reino de Deus não era um sacrifício, mesmo que representasse um esforço enorme e um desprendimento admirável. Ainda assim, não se travava de um sacrifício, mas um privilégio!

Elas nos ensinam também que a generosidade não depende de quanto recurso nós temos, mas quanto estamos dispostos a nos mobilizar e unir forças por uma causa maior do que a nossa própria manutenção e sobrevivência.

Com esse bonito exemplo, as igrejas da Macedônia nos ajudam a perceber que apoiar a missão e projetos de plantação de novas igrejas não é um privilégio apenas para igrejas grandes e financeiramente estáveis. Igrejas menores e com poucos recursos podem ajudar quando se dispõem a somar esforços com outras igrejas.

Mesmo quando a parceria financeira não é possível, podemos apoiar ser de outras formas.  Se não sabemos como fazer isso, a Missão Zero pode ajudar nesse processo.

Se a maioria das igrejas que investem em missão e plantação esperassem ter recursos sobrando ou condições para isso, muitos projetos e igrejas que realizam um belíssimo trabalho não existiriam. Pense nisso com carinho.

A Paróquia de São José-SC apoia projetos de missão em diferentes lugares. A Comunidade de Campinas (São José-SC) também serviu como Comunidade de Apoio num projeto de plantação de igreja. Esse envolvimento, seja cedendo pessoas para diferentes projetos ou dando suporte financeiro e servindo como Comunidade de Apoio, não foram vistos como sacrifícios, mas um privilégio. Ainda que, em alguns momentos, isso exigiu um grande esforço e desprendimento.

O que percebemos em todo esse processo é que participar da missão de Deus é algo extremamente gratificante. A sua igreja também pode fazer parte. Então, vamos nos unir por uma causa maior?

Joelson Erbert Martins

Por Missão Zero

quarta-feira, 01 julho 2020
Mais da MZ
Deus capacita os disponíveis

Deus capacita os disponíveis

Se você parar pra pensar, a maioria das tarefas realizadas que se tornam extraordinárias, ou até mesmo “ordinárias”, não são realizadas por alguém com um chamado especial pra isso, mas sim por alguém que se colocou à disposição.

ler mais

Por que plantar igrejas?

Na Grande Comissão, Jesus não somente convoca seus discípulos para fazerem outros discípulos, mas diz para que façam discípulos, batizem e ensinem. Os desafios evangelísticos do Novo Testamento não são simplesmente para compartilhar a fé, mas são chamados para a plantação de igrejas.

Deus capacita os disponíveis

Se você parar pra pensar, a maioria das tarefas realizadas que se tornam extraordinárias, ou até mesmo “ordinárias”, não são realizadas por alguém com um chamado especial pra isso, mas sim por alguém que se colocou à disposição.

Qual a principal função da laranjeira?

Organismos vivos saudáveis nascem, crescem, amadurecem e frutificam (ou se multiplicam). Assim sendo, Igrejas saudáveis se reproduzem. Líderes saudáveis reproduzem outros líderes. Discípulos saudáveis e maduros se reproduzem na vida de outros discípulos.

Ferro com ferro

Muitos líderes têm medo do discipulado porque ele exige vulnerabilidade e transparência, e vulnerabilidade é a chave para a conexão. É impossível manter os discípulos à distância e discipulá-los ao mesmo tempo. Ou você permite que eles observem você de perto ou você renuncia à sua responsabilidade como pai ou mãe espiritual.

Um certo Teodorico

O discipulado que Jesus praticara seria o modelo de ministério que todos deveriam considerar. Este seria a chave para alcançar todas as pessoas, em todos os lugares e em todos tempos. As outras atividades que se praticassem, por melhor que fossem, seriam acessórias e secundárias.

Isso não é onda, é Real!

Participar da obra redentora de Deus é um privilégio, e este privilégio é dado a todos a quem Deus revela Seu amor. Se o amor de Cristo alcançou você, é porque alguém anunciou as boas novas do evangelho para você, alguém respondeu ao amor recebido de Deus de uma forma prática.

Não é sacrifício, é privilégio!

Nós podemos aprender lições preciosas com as igrejas da Macedônia. Para essas igrejas, ofertar e investir na causa do reino de Deus não era um sacrifício, mesmo que representasse um esforço enorme e um desprendimento admirável. Ainda assim, não se travava de um sacrifício, mas um privilégio!

Alegrias em ser uma Comunidade mãe

A Alegria de encontrar um propósito para além de si mesmo. Perceber que a fé é um ato multiplicador na vida de pessoas, mas também de novas igrejas. Não é fácil, dá muito trabalho. Mas a cada nova pessoa há uma nova alegria.

A responsabilidade de uma Comunidade mãe

Plantar novas igrejas é a própria natureza da igreja de Jesus, é o testemunho histórico do cristianismo. Novas igrejas trazem vitalidade e ânimo, bem como cooperam para o cumprimento da grande comissão.

Passos para se tornar uma Comunidade mãe

Uma nova comunidade pode ser mais leve, ágil, adaptável e penetrar em novas áreas ou públicos com maior facilidade. Ampliando nosso horizonte vamos compreender que igrejas diferentes alcançam pessoas diferentes, em lugares diferentes.

A Comunidade mãe e sua importância

Toda comunidade saudável tem a capacidade de ser uma comunidade mãe. Talvez mais do que isso, pelo compromisso de levar o evangelho a todas as pessoas, em todos os lugares, tenham o dever de ser comunidade mãe, ou pelo menos participar ativamente da plantação de novas comunidades.

Vida e trabalho em missão

Ore ao Pai pelas oportunidades de compartilhar em seu local de trabalho. Procure oportunidades de compartilhar as verdades do evangelho durante seu dia de trabalho.

Qual a principal função da laranjeira?

Qual a principal função da laranjeira?

Organismos vivos saudáveis nascem, crescem, amadurecem e frutificam (ou se multiplicam). Assim sendo, Igrejas saudáveis se reproduzem. Líderes saudáveis reproduzem outros líderes. Discípulos saudáveis e maduros se reproduzem na vida de outros discípulos.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.