Não é novidade que o documentário da Netflix “O Dilema das Redes” deu o que falar. Sensacionalismo pra uns ou verdade absoluta pra outros, há um denominador comum que faz com que os dois polos se conectem: ainda não aprendemos com alguns velhos erros. E, por não aprendermos, pagamos um preço alto demais.

A tecnologia não é neutra.

A tecnologia não é neutra. Ela nem mesmo é um assunto novo. Do fogo à viagem a Marte, do chá da vó até a vacina pra Covid-19, sempre estivemos expostos a novas descobertas tecnológicas de baixa ou alta complexidade e nos beneficiamos disso. Hoje, com o mundo maravilhoso da internet, da conectividade ininterrupta e das mídias sociais não é diferente. Há incontáveis regalias e vantagens. Mas não pense que a tecnologia é neutra. Ela não é. Ter consciência disso é fundamental.

Não sejamos ingênuos! Há questões políticas, sociais e, principalmente, econômicas por trás de tudo. Há interesses muito maiores do que disponibilizar meios para que possamos conversar com aquele parente que mora no interior da Nova Zelândia. E esses interesses não são para o bem comum. De repente, você percebe o seu feed recheado de anúncios de bicicleta rosa feminina infantil, e isso logo depois de ter usado a ferramenta de busca pra fazer uma pesquisa rápida. Até mesmo os aplicativos mais “inocentes” costumam vir carregados de ênfases muito diferentes do entretenimento. Observe o efeito das redes sociais e mídias sociais na sociedade. Essas ferramentas foram desenvolvidas sob a premissa de nos deixar mais informados, unidos e felizes. No entanto, ao que parece, a sociedade está ficando, pouco a pouco, mais desinformada, mais intolerante, violenta, polarizada e triste.

Há um alvo a ser alcançado. E o ser humano parece ser o meio utilizado.

A tecnologia não é neutra. Se não é neutra, exige algo em troca. O preço? Exposição.

Em Mateus 5.13-16, depois de ter mencionado uma lista com pesadas exigências, Jesus, no meio daquela multidão, olha para cada um dos discípulos e diz: “Permitam-me dizer por que vocês estão aqui. Vocês estão aqui para ser o sal que traz o sabor divino à terra. Se perderem a capacidade de salgar, como as pessoas poderão sentir o tempero da vida dedicada a Deus? Vocês não terão mais utilidade e acabarão no lixo. Há uma outra maneira de dizer a mesma coisa: vocês estão aqui para ser luz, para trazer as cores de Deus ao mundo. Deus não é um segredo a ser guardado. Vamos torná-lo público, tão público quanto uma cidade num plano elevado. Se faço de vocês portadores da luz, não pensem que é para escondê-los debaixo de um balde virado. Quero posicioná-los onde todos possam vê-los. Agora que estão no alto do morro, onde todos conseguem enxergá-los, tratem de brilhar! Mantenham sua casa aberta. Que a generosidade seja a marca da vida de vocês. Mostrando-se acessíveis aos outros, vocês motivarão as pessoas a se aproximar de Deus, o generoso Pai do céu”.

Duas imagens – sal e luz – e duas responsabilidades fundamentais para mim e para você quando o assunto é tecnologia e internet.

1 – Temos uma responsabilidade pessoal

Jesus afirma que SOMOS o sal da terra, ponto final. Perceba que ele não está interessado em explicar de forma aprofundada. Somos sal. No entanto, Jesus continua com o que eu entendo ser a preocupação principal do seu raciocínio: o sal não deve perder o sabor. Se isso acontecer “não servirá para nada”.

A palavra-chave aqui é disciplina. Quem utiliza toda e qualquer forma de tecnologia, de baixa ou alta complexidade, incluindo aqui as redes e mídias sociais, precisa assumir a responsabilidade por uma eventual postura acrítica, antiética ou com motivações questionáveis – vaidade, egoísmo, autoafirmação. O famoso “penso, logo posto” que, infelizmente, tem reinado. Como sal, você precisa se contextualizar sem perder a essência do evangelho e sem perder a capacidade crítica que vem junto com ele – fundamentais para qualquer ação nossa, incluindo o uso da internet.

2 – Temos uma responsabilidade pública

O uso “individual e particular” das redes tem desdobramentos públicos e coletivos. Isso é fato. Ou seja, ainda que você se abstenha de usá-las, elas continuarão influenciando o comportamento, a economia e a política. Continuarão sendo usadas para moldar gostos, preferências e opiniões, seja para o bem ou para o mal.

Uma das frases do documentário que mencionei diz que “a mudança gradual, leve e imperceptível em seu comportamento e percepção é o produto” de maior interesse das empresas que estão na vanguarda tecnológica. Mudança de comportamento é o motivo do empenho da indústria online.

Então, para não ser impactado ou moldado por essa indústria que não tem o bem comum como principal motivação, e também para não correr o risco de ser moldado contra a sua própria vontade, você pode se afastar de tudo. Como alguns costumam fazer, você pode subir uma montanha e se isolar lá por quanto tempo achar necessário. Você pode abandonar o uso de qualquer mídia online. Fazendo isso, você diminui os riscos consideravelmente. Mas acredito que não é isso o que Jesus tem em mente. Não era o que ele tinha em mente quando disse que somos a luz do mundo e não é o que ele tem em mente quando nos chama para assumirmos o nosso papel na era da sociedade em rede. Exposição é o preço a se pagar, e este é um caminho sem volta. Acredito que não é à toa que Jesus menciona cada palavra do Sermão do Monte direcionada aos discípulos no meio daquela multidão. Eles já estavam expostos, e Jesus queria isso!

Hoje, estamos totalmente imersos em um mundo virtual e online. Isso é permanente. Dizer diferente seria o mesmo que imaginar vivermos sem a energia elétrica ou a roda. Impossível! Precisamos, de algum jeito, nos adaptar e aprender a lidar com a situação para, só então, sermos luz.

John Stott coloca desta forma: “Jesus chama seus discípulos para exercerem uma dupla influência na sociedade – uma influência negativa ao deter sua decadência e uma influência positiva trazendo a luz em meio a trevas. Pois uma coisa é impedir a propagação do mal; outra é promover a propagação da verdade, da beleza e da bondade”.

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Então, vamos construir algo juntos, como igreja, para que o mundo perceba que nos importamos e que estamos dispostos a mudar o quadro. Para que o mundo perceba que temos conteúdo relevante digno de ser ouvido, levado em consideração e compartilhado. Para que o mundo perceba que Deus se importa – se importou tanto que abandonou a si mesmo, “se compartilhou”, entrando no nosso mundo sujo e caído para o restaurar. E “para que vejam as nossas obras e glorifiquem ao nosso Pai que está nos céus” (Mt 5.16).

Jonatan Neumann

Por Missão Zero

quarta-feira, 16 junho 2021
Mais da MZ
Somente a Escritura

Somente a Escritura

Assim como nossos pesos e medidas dependem de uma medida padrão, todo ensino na igreja precisa ser aferido na Sagrada Escritura. Todo sermão deve ser conferido pelo ensino da Bíblia. O que não está em sintonia com ela, não é palavra de Deus para nós.

ler mais

Somente Cristo

A igreja tem a dádiva e a tarefa de zelar para que, em todos os tempos, o nome de Jesus Cristo continue sendo proclamado de como o único nome – somente Cristo – que tem o poder de redimir o mundo todo que “que está debaixo do poder do Maligno” (1 Jo 5.19).

Somente a Escritura

Assim como nossos pesos e medidas dependem de uma medida padrão, todo ensino na igreja precisa ser aferido na Sagrada Escritura. Todo sermão deve ser conferido pelo ensino da Bíblia. O que não está em sintonia com ela, não é palavra de Deus para nós.

Somente a Fé

Só quem experimentou o amor pode falar dele e vivê-lo. Por isso, confiar que Deus nos ama torna-nos testemunhas desse amor. Conhecer e experimentar o amor de Deus nos compromete a fazer o mesmo lá onde nossa vida acontece. Por isso o apóstolo escreve que “Somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por meio de nós”.

A Missão Zero terá uma alteração importante na forma de trabalho. Multiplicamos! Contamos agora com uma equipe mais ampla de pessoas muito bem qualificadas no que fazem, e que viverão o ministério covocacionado também na secretaria da MZ. Saiba mais sobre esses Novos Rumos por meio do vídeo e do informativo que preparamos.

Educação na teologia missional

Nossa pedagogia tem frequentemente sido altamente racional; eu tenho conteúdo, o comunico a você; você memoriza, escreve em um papel em uma prova e aí está: boa educação. Bem, existem muitas pessoas que podem fazer isso e não se tornarem bons pastores. Eu acho que nós precisamos encontrar uma pedagogia que é mais orientada ao discipulado.

A Reforma Protestante e a Igreja Missional

Entender a Cristo como criador de todas as coisas, governante da história, sustentador de todas as coisas, reconciliador do mundo, o juiz final, o que será conhecido como Senhor de tudo e que já está reinando à direita de Deus – e que devemos submeter toda nossa vida ao Cristo que vive – esse é o Cristo que precisamos entender, conhecer, amar e servir.

Os ídolos dos nossos dias

É importante perceber que um ídolo é quando nós começamos a pegar algo bom da criação e orientamos nossas vidas em comunidade ao redor disso. Começamos a organizar todas as instituições e costumes das nossas vidas em torno desse ídolo, e então o ídolo, através de poder demoníaco e do que está em nossas cabeças, nos domina, nos agarra, nos escraviza e nos destrói.

A História que dá sentido a tudo

A Bíblia começa na criação e termina na nova criação. Ela mostra o significado da história do mundo, o propósito dessa história, e o objetivo disso. Nós encontramos isso revelado e centrado principalmente na pessoa de Jesus Cristo.

Igreja missional ou missionária?

Em Gênesis 12.2-3, a palavra “abençoar” tem um senso de “ser restaurado à humanidade plena”, onde o deleite e prosperidade do que significa ser humano é restaurado. Nós somos salvos do pecado e da miséria do mal. Quando somos abençoados, não é apenas para nosso bem, mas para abençoar outros.

Não é sacrifício. É privilégio!

Se a maioria das igrejas que investem em missão e plantação esperassem ter recursos sobrando ou condições para isso, muitos projetos e igrejas que realizam um belíssimo trabalho não existiriam. Pense nisso com carinho.

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

O covocacionado na plantação de igrejas

Covocacionados são vistos como pessoas que investem na sociedade, criando serviços, provendo educação ou empregando pessoas. Tal viabilidade gera respeito e abre portas para explicar porque somos diferentes e do porquê escolhemos assumir nossa posição no mercado de trabalho com base em valores bíblicos.

Somente a Fé

Somente a Fé

Só quem experimentou o amor pode falar dele e vivê-lo. Por isso, confiar que Deus nos ama torna-nos testemunhas desse amor. Conhecer e experimentar o amor de Deus nos compromete a fazer o mesmo lá onde nossa vida acontece. Por isso o apóstolo escreve que “Somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por meio de nós”.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.