A jornada começa com o propósito de ver o evangelho de Jesus transformando mais vidas. Existem muitos caminhos para isso. É necessário um tempo de reflexão e oração, em que as lideranças, com sinceridade e objetividade, avaliam o desafio que terão pela frente, ponderando se realmente desejam investir na plantação de uma nova comunidade.

É preciso entender que uma comunidade não consegue cumprir sozinha a missão de Deus. Não somos capazes de evangelizar toda uma cidade ou toda uma região. Questões geográficas, perfil social e o estilo de culto são alguns dos aspectos que atraem algumas pessoas e afastam outras. Uma nova comunidade pode ser mais leve, ágil, adaptável e penetrar em novas áreas ou públicos com maior facilidade. Ampliando nosso horizonte vamos compreender que igrejas diferentes alcançam pessoas diferentes, em lugares diferentes.

Para seguir em frente necessitamos vencer a tendência de pensar apenas nas próprias necessidades. A comunidade-mãe precisa exercitar a generosidade para disponibilizar dinheiro que poderia ser investido, por exemplo, na reforma do templo ou na compra de novos equipamentos. O investimento mais difícil pode ser o de ceder pessoas para compor a equipe base. Uma boa equipe precisa de gente que se engaje no trabalho, assume liderança e tenha boa rede de relacionamentos fora da comunidade. São pessoas que fazem falta e deixam lacunas na comunidade mãe. Ser mãe é um chamado a generosidade.

Outra etapa estrategicamente importante é a escolha do plantador. Ela pode determinar o sucesso ou fracasso da plantação. A experiência mostra que o líder do projeto precisa ter algumas habilidades específicas e é necessário resistir à tentação de escolher o plantador por simpatia ou afinidade. O processo precisa ser conduzido em oração e com assessoria competente.[1]

Depois, o plantador precisa levantar as características da cidade, do público a ser alcançado, fazer orçamento, esboçar o perfil do grupo base e elaborar um cronograma. É um tempo de mais oração e muitas negociações, nem sempre fáceis. Muitas inseguranças precisaram ser vencidas nesta fase de planejamento.

Com o projeto ganhando forma, a comunidade toda precisa ser envolvida. O projeto não pode ser apenas dos líderes e do plantador. A comunidade necessita ser desafiada a assumir o papel de mãe em oração, o planejamento apresentado e as pessoas motivadas a participarem financeiramente.

Quando os cultos públicos iniciam a mãe enfrenta o desafio de deixar a filha crescer. A nova comunidade não é uma cópia da mãe e faz escolhas que nem sempre são bem compreendidas. É preciso vencer a necessidade de controle e dar liberdade para que a equipe desenvolva sua visão e forma de funcionamento. Ver a filha crescendo e se desenvolvendo é maravilhoso, mas gera comparações e pode despertar ciúmes. É momento de crescer na visão de Reino de Deus e aprender a celebrar o sucesso da nova comunidade.

A experiência é sem dúvida revitalizadora. Acompanhar o nascimento de uma comunidade injeta nova vida também na comunidade-mãe e motiva a continuar sonhando. Que Deus desperte entre nós muitas comunidades-mães, corajosas, generosas e desejosas de ver o Reino crescendo. E assim, Deus seja engrandecido e nossas cidades transformadas pelo evangelho.

 

[1] O CTPI (Centro de Treinamento para Plantadores de Igreja) disponibiliza um teste bastante completo para auxiliar na avaliação do plantador

André Hiendlmayer

Por Missão Zero

quarta-feira, 10 junho 2020
Mais da MZ
Aprendendo a liberdade

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

ler mais

Sempre haverá oportunidade!

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

Comunicação além do Like

Saber aonde está alicerçado e quais as suas verdades são pontos fundamentais para começar um processo de comunicação. Esse conhecimento vai ajudar você a criar uma identidade e uma narrativa coerente com a realidade do emissor. É nessa etapa também que nos confrontamos com a palavra planejamento. Falando de igreja e missão, esses dois pontos são fundamentais: autoconhecimento e planejamento.

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.