Não existe sinal de chuva na janela de onde olho o céu. Ao contrário, o céu está azul, sólido, firme, constante e longo. Eu voltei do Encontro de celebração dos 30 anos da Missão Zero com algumas perguntas, mas uma se destaca: como viver como cristão nestes dias?

Ouvi o relato dos missionários que estão Nordeste, na África e na Europa pela Missão Zero. Suas alegrias, dificuldades, a busca pela inserção na cultura, e suas vitórias. Acredito que, junto com cada um de vocês que leem este texto, conhecemos, por outros missionários, as mesmas características que eles relataram. Ouvi os palestrantes. Começando pelos relatos da Europa, Estados Unidos, passando pela África, chegando aos centros urbanos do Brasil, surge outra pergunta que me preocupa muito: estaríamos indo em direção à uma sociedade pós cristã?

Diferente da imagem de minha janela vejo uma sociedade que parece imersa em algo parecido com um dilúvio. A realidade parece estar se diluindo, se tornando liquefeita. O cristianismo não é mais a religião dominante em muitos lugares onde costumava ser, dando lugar a uma visão de mundo secularizada na qual mais e mais pessoas estão vendo a fé cristã como opcional e antiquada, e, até mesmo, como desagradável. O discurso da tolerância parece ser o limitador para todos os discursos, menos o da exclusividade de Cristo.  Isto pode ser fruto de uma Igreja e cristãos que perderam sua missão. Substituíram a missão por um projeto de poder, controle, status, vida boa neste mundo e não testemunham mais do amor transformador de Deus. Ao mesmo tempo, se estabelece na sociedade, uma busca da liberdade absoluta, por parte do ser humano. Seria este um movimento pendular, onde a sociedade mundial estaria se movendo em direção à época do mundo pré-cristão? Época onde os cristãos foram perseguidos porque criticaram e não adoraram a César como Senhor (Kyrios) e se recusaram a participar de suas práticas idólatras, que envolviam a exploração dos seres humanos? Estaria a sociedade se revelando como de fato é, sem as amarras culturais que mantinham as aparências? Quais são os Senhores que querem o lugar de Jesus? Mais perguntas surgem enquanto olho para o céu azul!

A igreja (se não estivesse se afogando junto) deveria ser uma espécie de arca, não apenas para os cristãos, mas para todos os que estão perdidos neste dilúvio e se afogando. Você pode estar se perguntando: o que é diferente agora, quando comparamos todas as crises da igreja e da sociedade no passado? Por pior que foram as crises passadas o ocidente ainda tinha uma base espiritual e moral comum para julgar a igreja, a sociedade e o próprio ser humano. Agora não existe mais este balizamento. Não há terra firme, não existe uma âncora para ser jogada e nenhum mapa confiável para ajudar na navegação! O dilúvio parece ter derrubado as paredes do templo e não sabemos o que fazer, estando do lado de fora, com os tijolos, e com as ruinas!

Eu continuo olhando para os céus. Nuvens passam, se unem e dissipam. O céu se fecha e as vezes se abre. O céu se abriu de uma maneira única na história. Olhar para os céus e perceber que eles se abriram e a Vida veio habitar entre nós, é, para mim, o único fato concreto que não se dissolve na realidade construída. A desintegração e a morte foram vencidas!

Não penso que devemos fazer a “cristandade grande outra vez”. Devemos buscar a Deus através de Jesus, permitindo que Ele nos molde, e assim como Cristo, possamos andar de cidade em cidade, de casa em casa, com palavras e atos poderosos. Cristo entrou na realidade humana para regenerá-la; re-criar o criado como a realidade sagrada. Nesta realidade “sem estruturas concretas” devemos relembrar que toda realidade é ordenada e dada por Jesus Cristo. É Ele quem coloca em ordem as emoções, os sentimentos, as preocupações, os valores, os saberes, para se viver. Sem Jesus o ser humano se fragmenta, se dissolve. Encontrar o Jesus revelado é urgente no dilúvio!

Ao mesmo tempo se o cristão não se tornar ativo, intencional e disciplinado em sua vida de fé ele a perderá. A fé cristã é para ser vivida, a conversão ao cristianismo deverá ser profunda e vivida na realidade fragmentada. O discipulado mútuo, onde a oração regular, a adoração, o jejum, a leitura das escrituras e o serviço ao próximo são fundamentais para o crescimento e formação do ser humano. Será necessário enfatizar o estudo intencional, em grupo, dos evangelhos com o intuito de “modelar” a vida dos cristãos no exemplo de Jesus, evitando um Kyrios concorrente. O discipulado é aprender a ser como Jesus! O discipulado deve ser mútuo, pois nenhuma rede social substituirá o rosto, a voz, o toque das pessoas. Uma horizontalidade deve ser estabelecida nas relações humanas.

Dentro desta “comunidade de discípulos” os filhos devem ser criados, ensinados e irão crescer dentro de uma cultura familiar onde aprendem, desde pequenos, o Evangelho da Verdade. As casas são transformadas em “templos onde se vive o evangelho”.

Nestas “casas-templo”, onde se reúne uma “comunidade da graça”, se confia na obra de Jesus para a salvação. Esta comunidade aprende diariamente que não é por esforço humano que somos salvos; mas única e exclusivamente por Jesus. É necessário a lembrança contínua da graça salvadora de Deus! Como pessoas falhas acolhem outras pessoas falhas que juntos buscam a Jesus!

Estes “templos-humanos” são amantes e promotores da paz, da justiça. São acolhedores, misericordiosos, sensíveis, submissos, imparciais e sinceros. Eles saem de suas “casas-templo” como “templo”, como missionários, como imagem e semelhança de Deus para servir ao próximo, a “viúva, ao órfão, o estrangeiro e o pobre”. Eles são como Jesus entre os homens! Eles andam com os olhos no céu aberto, no Reino que está entre nós, transformando a realidade para que todos vejam o céu azul no meio do dilúvio.

Whanderson Perobelli

Ex-coordenador da Missão Zero 

sexta-feira, 26 julho 2019

Encontro de Lideranças

22 e 23 de junho, em Porto Alegre/RS

Encontro de Obreiros

24 a 27 de junho, em Florianópolis/SC

Mais do ME

Uma grande oportunidade

Uma grande oportunidade

Sempre escutei que crise gera oportunidade, e parece que essa não é diferente. A crise nos oferece a oportunidade de mudar conscientemente. Oportunidade de nos aproximar mais de Deus, com tempo de qualidade; oportunidade de nos aproximar de nossa família, mesmo que seja por vídeo conferência; e a oportunidade de parar para projetar e lapidar projetos de vida.

ler mais

4 mentiras sobre a plantação de igrejas

Você já pensou que todas as igrejas, inclusive a que você participa, teve um início? Como ela começou? Qual foi o trabalho realizado? Qual foi o segredo? Tenho certeza: a resposta será que foi através de pessoas. Pessoas dispostas a compartilhar o evangelho com outras. A razão maior para o nascimento dessas igrejas foi o desejo de glorificar a Deus.

Uma grande oportunidade

Sempre escutei que crise gera oportunidade, e parece que essa não é diferente. A crise nos oferece a oportunidade de mudar conscientemente. Oportunidade de nos aproximar mais de Deus, com tempo de qualidade; oportunidade de nos aproximar de nossa família, mesmo que seja por vídeo conferência; e a oportunidade de parar para projetar e lapidar projetos de vida.

A vida sempre continua…

Durante o tempo em que morei no Nordeste brasileiro sempre tive a sensação ao longo dos meses de seca, quando a paisagem ficava cinza e tudo parecia morto, que não teria como aquelas plantas retornarem a vida. Mas com a primeira chuva, ah, a primeira chuva, três dias depois, a paisagem mudava para um verde que expressava vida.

Libertos do azar

O medo da sexta-feira 13 tem muito a ver com a cultura brasileira, recheada de superstições que muitas vezes estão mascaradas nela. O chinelo não pode ser virado, o espelho não pode ser quebrado, cruze os dedos para ter sorte e evite gatos pretos! Não é à toa que tanta coisa vem à tona cada vez que o dia 13 cai na sexta.

Café com Missão – MZ e acadêmicos da FATEV

Os alunos que estiveram presentes fazem parte do Programa Multiplique, iniciativa da Missão Zero e da FATEV para formação pessoal e vocacional, que visa ser ferramenta para qualificação de futuros plantadores de igrejas.

9 elementos essenciais da missão – 9: Missão como ação em esperança

Talvez as esperanças de que tudo simplesmente fique melhor de um ano para o outro sejam inocentes e vãs mesmo, mas, na perspectiva cristã, há uma esperança que supera todas as desesperanças. Cristo venceu a morte, ressuscitou e voltará, consumando o Reino de Deus, onde não há choro, injustiça nem dor.

Chega de Águas Paradas

O Mar Morto é tão saturado de sal que nenhuma criatura consegue sobreviver nele. Por que há diferença entre os dois lagos? O de Genesaré recebe a água do Jordão e as passa adiante. O Mar Morto as recebe também, mas segura cada gota para si. Foi assim que ele se tornou salgado, amargo e hostil a vida.”

9 elementos essenciais da missão – 8: Missão como testemunho

Vivemos um profundo relativismo, onde toda verdade é verdade para aquele que a toma. Nisso, muitas vezes o cristianismo é colocado apenas como uma maneira de ver o mundo, assim como as outras religiões, mas que apenas refletem parte de uma verdade maior ou verdade nenhuma.

Programa Multiplique: desenvolvimento pessoal e vocacional

O Programa inclui testes de personalidade e acompanhamento psicológico, participação no Desperta ONLINE e palestras sobre diversos temas nas áreas pessoal e ministerial.

9 elementos essenciais da missão – 7: Missão como ministério de todo o povo de Deus

O chamado à missão não foi dado somente a alguns cristãos, mas a todos, assim como o Espírito Santo veio a todos (Atos 2.4) em pentecostes, e não somente a alguns. Cada cristão é convocado a ser missionário, onde quer que esteja!

9 elementos essenciais da missão – 6: Missão como contextualização

Quer percebamos ou não, quando escrevemos, falamos, ou nos comunicamos de qualquer forma, tentamos fazer isso de forma contextualizada. Nos comunicamos de um jeito que acreditamos que seja entendível para o outro. Nos comunicamos de forma diferente com uma criança e um idoso.

9 elementos essenciais da missão – 5: Missão como evangelização

O evangelismo é convite! Ele não é o mesmo que estimular os sentimentos de culpa em outras pessoas para que elas se “convertam por medo”. Evangelismo é anunciar um amor que atrai. É um presente que foi dado ao mensageiro que o anuncia a outros.

A vida sempre continua…

A vida sempre continua…

Durante o tempo em que morei no Nordeste brasileiro sempre tive a sensação ao longo dos meses de seca, quando a paisagem ficava cinza e tudo parecia morto, que não teria como aquelas plantas retornarem a vida. Mas com a primeira chuva, ah, a primeira chuva, três dias depois, a paisagem mudava para um verde que expressava vida.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.