Não existe sinal de chuva na janela de onde olho o céu. Ao contrário, o céu está azul, sólido, firme, constante e longo. Eu voltei do Encontro de celebração dos 30 anos da Missão Zero com algumas perguntas, mas uma se destaca: como viver como cristão nestes dias?

Ouvi o relato dos missionários que estão Nordeste, na África e na Europa pela Missão Zero. Suas alegrias, dificuldades, a busca pela inserção na cultura, e suas vitórias. Acredito que, junto com cada um de vocês que leem este texto, conhecemos, por outros missionários, as mesmas características que eles relataram. Ouvi os palestrantes. Começando pelos relatos da Europa, Estados Unidos, passando pela África, chegando aos centros urbanos do Brasil, surge outra pergunta que me preocupa muito: estaríamos indo em direção à uma sociedade pós cristã?

Diferente da imagem de minha janela vejo uma sociedade que parece imersa em algo parecido com um dilúvio. A realidade parece estar se diluindo, se tornando liquefeita. O cristianismo não é mais a religião dominante em muitos lugares onde costumava ser, dando lugar a uma visão de mundo secularizada na qual mais e mais pessoas estão vendo a fé cristã como opcional e antiquada, e, até mesmo, como desagradável. O discurso da tolerância parece ser o limitador para todos os discursos, menos o da exclusividade de Cristo.  Isto pode ser fruto de uma Igreja e cristãos que perderam sua missão. Substituíram a missão por um projeto de poder, controle, status, vida boa neste mundo e não testemunham mais do amor transformador de Deus. Ao mesmo tempo, se estabelece na sociedade, uma busca da liberdade absoluta, por parte do ser humano. Seria este um movimento pendular, onde a sociedade mundial estaria se movendo em direção à época do mundo pré-cristão? Época onde os cristãos foram perseguidos porque criticaram e não adoraram a César como Senhor (Kyrios) e se recusaram a participar de suas práticas idólatras, que envolviam a exploração dos seres humanos? Estaria a sociedade se revelando como de fato é, sem as amarras culturais que mantinham as aparências? Quais são os Senhores que querem o lugar de Jesus? Mais perguntas surgem enquanto olho para o céu azul!

A igreja (se não estivesse se afogando junto) deveria ser uma espécie de arca, não apenas para os cristãos, mas para todos os que estão perdidos neste dilúvio e se afogando. Você pode estar se perguntando: o que é diferente agora, quando comparamos todas as crises da igreja e da sociedade no passado? Por pior que foram as crises passadas o ocidente ainda tinha uma base espiritual e moral comum para julgar a igreja, a sociedade e o próprio ser humano. Agora não existe mais este balizamento. Não há terra firme, não existe uma âncora para ser jogada e nenhum mapa confiável para ajudar na navegação! O dilúvio parece ter derrubado as paredes do templo e não sabemos o que fazer, estando do lado de fora, com os tijolos, e com as ruinas!

Eu continuo olhando para os céus. Nuvens passam, se unem e dissipam. O céu se fecha e as vezes se abre. O céu se abriu de uma maneira única na história. Olhar para os céus e perceber que eles se abriram e a Vida veio habitar entre nós, é, para mim, o único fato concreto que não se dissolve na realidade construída. A desintegração e a morte foram vencidas!

Não penso que devemos fazer a “cristandade grande outra vez”. Devemos buscar a Deus através de Jesus, permitindo que Ele nos molde, e assim como Cristo, possamos andar de cidade em cidade, de casa em casa, com palavras e atos poderosos. Cristo entrou na realidade humana para regenerá-la; re-criar o criado como a realidade sagrada. Nesta realidade “sem estruturas concretas” devemos relembrar que toda realidade é ordenada e dada por Jesus Cristo. É Ele quem coloca em ordem as emoções, os sentimentos, as preocupações, os valores, os saberes, para se viver. Sem Jesus o ser humano se fragmenta, se dissolve. Encontrar o Jesus revelado é urgente no dilúvio!

Ao mesmo tempo se o cristão não se tornar ativo, intencional e disciplinado em sua vida de fé ele a perderá. A fé cristã é para ser vivida, a conversão ao cristianismo deverá ser profunda e vivida na realidade fragmentada. O discipulado mútuo, onde a oração regular, a adoração, o jejum, a leitura das escrituras e o serviço ao próximo são fundamentais para o crescimento e formação do ser humano. Será necessário enfatizar o estudo intencional, em grupo, dos evangelhos com o intuito de “modelar” a vida dos cristãos no exemplo de Jesus, evitando um Kyrios concorrente. O discipulado é aprender a ser como Jesus! O discipulado deve ser mútuo, pois nenhuma rede social substituirá o rosto, a voz, o toque das pessoas. Uma horizontalidade deve ser estabelecida nas relações humanas.

Dentro desta “comunidade de discípulos” os filhos devem ser criados, ensinados e irão crescer dentro de uma cultura familiar onde aprendem, desde pequenos, o Evangelho da Verdade. As casas são transformadas em “templos onde se vive o evangelho”.

Nestas “casas-templo”, onde se reúne uma “comunidade da graça”, se confia na obra de Jesus para a salvação. Esta comunidade aprende diariamente que não é por esforço humano que somos salvos; mas única e exclusivamente por Jesus. É necessário a lembrança contínua da graça salvadora de Deus! Como pessoas falhas acolhem outras pessoas falhas que juntos buscam a Jesus!

Estes “templos-humanos” são amantes e promotores da paz, da justiça. São acolhedores, misericordiosos, sensíveis, submissos, imparciais e sinceros. Eles saem de suas “casas-templo” como “templo”, como missionários, como imagem e semelhança de Deus para servir ao próximo, a “viúva, ao órfão, o estrangeiro e o pobre”. Eles são como Jesus entre os homens! Eles andam com os olhos no céu aberto, no Reino que está entre nós, transformando a realidade para que todos vejam o céu azul no meio do dilúvio.

Whanderson Perobelli

Ex-coordenador da Missão Zero 

sexta-feira, 26 julho 2019

Encontro de Lideranças

22 e 23 de junho, em Porto Alegre/RS

Encontro de Obreiros

24 a 27 de junho, em Florianópolis/SC

Mais do ME

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

ler mais

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

Comunicação além do Like

Saber aonde está alicerçado e quais as suas verdades são pontos fundamentais para começar um processo de comunicação. Esse conhecimento vai ajudar você a criar uma identidade e uma narrativa coerente com a realidade do emissor. É nessa etapa também que nos confrontamos com a palavra planejamento. Falando de igreja e missão, esses dois pontos são fundamentais: autoconhecimento e planejamento.

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Negócios e plantação de igrejas: feitos um para o outro!

Não, o modelo missionário de Paulo não era “convencional”. Ele já havia demonstrado em Corinto, em Atos 18:1-4, sua fé na importância e poder das profissões no ministério, e sua convicção de que Deus não chama todos os Seus filhos para um ministério de tempo integral, mas que os chama a ministrar por tempo integral, elevando suas profissões a um contexto de ministério. Isso é especialmente verdade quando se trata de negócios.

Até a última vila

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.