Qual a principal função da laranjeira?

Esta resposta parece simples e óbvia: produzir laranjas, certo?

Não! É mais do que isso. Dias atrás, a resposta que ouvi de certo pregador me ajudou a compreender melhor o que Deus espera dos seus discípulos. A resposta foi: “produzir sementes de laranja”.

Não foi isso que o apóstolo Paulo disse a seu discípulo Timóteo? “E as palavras que ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie-as a homens fiéis que sejam capazes de ensinar outros.” (2 Timóteo 2.2)

Paulo estabelecera um relacionamento profundo com Timóteo, ajudando-o a se tornar um imitador de Cristo, transferindo da sua própria vida de fé e auxiliando a que se tornasse um discípulo maduro, que produziria frutos ao fazer o mesmo na vida de outros. Estes, por sua vez, reproduziriam isso em outras pessoas.

A Igreja, nos primeiros séculos, reflete esse princípio. Eles eram, em Jerusalém, cerca de 120 (Atos 1.15). Paulo, em 1 Coríntios 15.6, fala de 500 discípulos que viram Jesus ressurreto. Já em Atos 2.41 e 4.4, fala-se de 3 mil e 5 mil convertidos. Segundo Alan Hirsch, em Caminhos Esquecidos, no ano 100 d.C. seriam 25 mil cristãos e, no ano de 310 d.C., seriam em torno de 20 milhões de discípulos. Algo semelhante o autor relata sobre o que acontecera na China nas últimas décadas. A Igreja na China, em 40 anos, passou de 2 milhões para 60 milhões de cristãos.

Não quero que nos fixemos nos números, mas no princípio. A multiplicação é um princípio bíblico desde a Criação: “Deus os abençoou, e lhes disse: ‘Sejam férteis e multipliquem-se!’.” (Gênesis 1.28); “Eu o tornarei extremamente prolífero; de você farei nações…” (Gênesis 17.6). Também nos evangelhos é tema recorrente: “…deu boa colheita, a cem, sessenta e trinta por um…” (Mateus 13.8); a Parábola dos Talentos (Mateus 25); “Meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos.” (João 15.8).

Organismos vivos saudáveis nascem, crescem, amadurecem e frutificam (ou se multiplicam). Assim sendo, Igrejas saudáveis se reproduzem. Líderes saudáveis reproduzem outros líderes. Discípulos saudáveis e maduros se reproduzem na vida de outros discípulos.

O discipulado infelizmente é um assunto que por muitas igrejas, pastores e líderes é negligenciado, mal compreendido ou não praticado na sua plenitude.

Segundo Dave Ferguson & Warren Bird, no livro Formador de Heróis, “Jesus disse a seus seguidores que ele estava investindo sua vida neles para que eles pudessem fazer coisas maiores do que ele. Cristo estava treinando-os para alcançar mais pessoas, irem a mais lugares e fazerem mais discípulos do que ele jamais faria durante seus três anos de ministério terrestre (João 14.12)”.

Precisamos compreender que o discipulado, que começa com ouvir do chamado de Jesus para o seguir em arrependimento e obediência, passa pelo tempo de crescimento, transformação e amadurecimento vivenciado em um relacionamento profundo; chega ao envolvimento em serviço na missão de Deus no mundo, e tem seu ciclo concluído quando o discípulo conseguiu reproduzir o que ele mesmo experimentou na vida de um novo discípulo de Jesus.

Quando essa verdade é compreendida e praticada, surge na igreja uma cultura de discipulado multiplicador, e o resultado é a geração de agentes de multiplicação, transformação e impacto no mundo!

“Quem quer que faça parte de um discipulado de multiplicação, dedicou sua vida a algo de valor, e é isso que conta para a eternidade.” (Milton Jones)

Juliano Müller Peter

Por Missão Zero

quarta-feira, 29 julho 2020
Mais da MZ
Deus capacita os disponíveis

Deus capacita os disponíveis

Se você parar pra pensar, a maioria das tarefas realizadas que se tornam extraordinárias, ou até mesmo “ordinárias”, não são realizadas por alguém com um chamado especial pra isso, mas sim por alguém que se colocou à disposição.

ler mais

Por que plantar igrejas?

Na Grande Comissão, Jesus não somente convoca seus discípulos para fazerem outros discípulos, mas diz para que façam discípulos, batizem e ensinem. Os desafios evangelísticos do Novo Testamento não são simplesmente para compartilhar a fé, mas são chamados para a plantação de igrejas.

Deus capacita os disponíveis

Se você parar pra pensar, a maioria das tarefas realizadas que se tornam extraordinárias, ou até mesmo “ordinárias”, não são realizadas por alguém com um chamado especial pra isso, mas sim por alguém que se colocou à disposição.

Qual a principal função da laranjeira?

Organismos vivos saudáveis nascem, crescem, amadurecem e frutificam (ou se multiplicam). Assim sendo, Igrejas saudáveis se reproduzem. Líderes saudáveis reproduzem outros líderes. Discípulos saudáveis e maduros se reproduzem na vida de outros discípulos.

Ferro com ferro

Muitos líderes têm medo do discipulado porque ele exige vulnerabilidade e transparência, e vulnerabilidade é a chave para a conexão. É impossível manter os discípulos à distância e discipulá-los ao mesmo tempo. Ou você permite que eles observem você de perto ou você renuncia à sua responsabilidade como pai ou mãe espiritual.

Um certo Teodorico

O discipulado que Jesus praticara seria o modelo de ministério que todos deveriam considerar. Este seria a chave para alcançar todas as pessoas, em todos os lugares e em todos tempos. As outras atividades que se praticassem, por melhor que fossem, seriam acessórias e secundárias.

Isso não é onda, é Real!

Participar da obra redentora de Deus é um privilégio, e este privilégio é dado a todos a quem Deus revela Seu amor. Se o amor de Cristo alcançou você, é porque alguém anunciou as boas novas do evangelho para você, alguém respondeu ao amor recebido de Deus de uma forma prática.

Não é sacrifício, é privilégio!

Nós podemos aprender lições preciosas com as igrejas da Macedônia. Para essas igrejas, ofertar e investir na causa do reino de Deus não era um sacrifício, mesmo que representasse um esforço enorme e um desprendimento admirável. Ainda assim, não se travava de um sacrifício, mas um privilégio!

Alegrias em ser uma Comunidade mãe

A Alegria de encontrar um propósito para além de si mesmo. Perceber que a fé é um ato multiplicador na vida de pessoas, mas também de novas igrejas. Não é fácil, dá muito trabalho. Mas a cada nova pessoa há uma nova alegria.

A responsabilidade de uma Comunidade mãe

Plantar novas igrejas é a própria natureza da igreja de Jesus, é o testemunho histórico do cristianismo. Novas igrejas trazem vitalidade e ânimo, bem como cooperam para o cumprimento da grande comissão.

Passos para se tornar uma Comunidade mãe

Uma nova comunidade pode ser mais leve, ágil, adaptável e penetrar em novas áreas ou públicos com maior facilidade. Ampliando nosso horizonte vamos compreender que igrejas diferentes alcançam pessoas diferentes, em lugares diferentes.

A Comunidade mãe e sua importância

Toda comunidade saudável tem a capacidade de ser uma comunidade mãe. Talvez mais do que isso, pelo compromisso de levar o evangelho a todas as pessoas, em todos os lugares, tenham o dever de ser comunidade mãe, ou pelo menos participar ativamente da plantação de novas comunidades.

Vida e trabalho em missão

Ore ao Pai pelas oportunidades de compartilhar em seu local de trabalho. Procure oportunidades de compartilhar as verdades do evangelho durante seu dia de trabalho.

Ferro com ferro

Ferro com ferro

Muitos líderes têm medo do discipulado porque ele exige vulnerabilidade e transparência, e vulnerabilidade é a chave para a conexão. É impossível manter os discípulos à distância e discipulá-los ao mesmo tempo. Ou você permite que eles observem você de perto ou você renuncia à sua responsabilidade como pai ou mãe espiritual.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.