Lembro-me de um breve texto editado num boletim da SEPAL, há mais de 20 anos. O título era “Segure a corda”. A história era mais ou menos assim: um exímio nadador amarrou a extremidade de uma corda em torno de sua cintura e instruiu as pessoas sobre a ponte que segurassem a outra ponta para que ele pudesse mergulhar. Lançou-se para dentro do rio que atravessava a pequena vila, e nadava para resgatar uma criança que estava sendo arrastada pela correnteza. Lutou contra a força da água até alcançar a criança em perigo e, finalmente, fez um sinal para que as pessoas sobre a ponte puxassem para o resgate. Todos os expectadores sobre a ponte estavam muito felizes, de mãos erguidas, e num brado de euforia celebravam o resgate da criança. Porém, ninguém segurou a corda. Nadador, criança e a corda desapareceram na correnteza.  Não lembro exatamente o final desta história, mas lembro de muito bem do recado dela.

O texto de Atos 15.1-21 nos leva a concluir que Jerusalém era lugar de gente que segurava a corda.  No início não era bem assim, mas com o rumo da missão o Espírito de Deus foi conduzindo a comunidade de Jerusalém para que assumisse o papel de igreja mãe. Até podemos ter os melhores e mais competentes missionários e plantadores de igrejas no campo, porém fica complicado quando não temos aqueles que seguram a corda.

O autor e antropólogo cristão Paul G. Hiebert, citando “Alicja Iwanska” (1978), descreve três modos das comunidades se relacionarem com a missão cristã. A primeira é a visão panorâmica: se olha para a missão assim como para uma foto, ou como se contempla um jardim zoológico, com uma devida distância. A segunda é uma conexão de um modo utilitarista. Tem-se ferramentas e recursos e os projetos são desenvolvidos, mas não passa de uma prestação de serviços; seus resultados são numéricos e precisam trazer benefícios, nem que seja para a autopromoção da igreja mãe. A terceira, porém, seria a ideal, onde comunidade se envolve com pessoas, missionários e suas famílias. Pessoas das comunidades em missão: capacidade de amar e de se importar com o que acontece no campo de missão.

Aquilo que estava acontecendo na Antioquia era sim assunto também de Jerusalém. Dificuldades internas e externas na missão são comuns e são reais.  Havia gente ensinando coisas estranhas frente à novidade do evangelho, que é o poder de Deus para salvação (Rm 1.16).  Questões secundárias se colocaram junto ou até acima do evangelho, trazendo confusão para a missão na Antioquia. Tradições que até foram legítimas no passado se transformaram em obstáculos. Lidar com situações desta natureza pressupõem conversas difíceis. Como fazer isso sem que a unidade seja comprometida?

Como é importante quando os problemas podem ser divididos e o campo missionário sabe a quem recorrer. Pedro e Tiago, os apóstolos, também mexidos e transformados pelo Espírito Santo para um novo momento da missão, abrem mão de suas convicções pessoais para olhar com os olhos de Deus para ela. Esses processos de mudanças de ações podem ser difíceis e abalam estruturas. Dificilmente, porém, haverá missão para fora se não tivermos capacidade de mexer estruturas internas.

Antioquia sabia de pessoas que estavam segurando a corda. Paulo e Barnabé sabiam-se conectados. Mergulhar assim na missão fica melhor.  Precisamos de mergulhadores – eles são essenciais – mas como precisamos de seguradores de cordas! Em outras palavras, comunidades-mãe dando o melhor de si em termos de recursos, oração, sabedoria e encorajamento.  Tem sido bom fazer este papel de igreja mãe, por mais que ainda possamos melhorar. Portas têm sido abertas, e é bom celebrar com os mergulhadores. O bom desempenho deles é nossa alegria, mas seguramos a corda, sabendo que eles precisam de nós.

William Bretzke

Por Missão Zero

terça-feira, 20 abril 2021
Mais da MZ
Revisão preventiva

Revisão preventiva

Atuar na missão de Deus em nossos dias tem passado por uma revisão. A igreja que quer ser igreja mesmo, ou seja, a igreja que quer viajar cada vez mais longe, precisa passar por esse processo. Ao pegar a estrada, plantando igrejas pelo caminho, não pode esquecer do que é central.

ler mais

Negócios e plantação de igrejas: feitos um para o outro!

Não, o modelo missionário de Paulo não era “convencional”. Ele já havia demonstrado em Corinto, em Atos 18:1-4, sua fé na importância e poder das profissões no ministério, e sua convicção de que Deus não chama todos os Seus filhos para um ministério de tempo integral, mas que os chama a ministrar por tempo integral, elevando suas profissões a um contexto de ministério. Isso é especialmente verdade quando se trata de negócios.

Revisão preventiva

Atuar na missão de Deus em nossos dias tem passado por uma revisão. A igreja que quer ser igreja mesmo, ou seja, a igreja que quer viajar cada vez mais longe, precisa passar por esse processo. Ao pegar a estrada, plantando igrejas pelo caminho, não pode esquecer do que é central.

Segure a corda

Como é importante quando os problemas podem ser divididos e o campo missionário sabe a quem recorrer. Processos de mudanças de ações nesse sentido podem ser difíceis e abalam estruturas. Dificilmente, porém, haverá missão para fora se não tivermos capacidade de mexer estruturas internas.

Movimento missionário

Qual seria a fonte desta constante força encorajadora fazendo que Paulo e Barnabé não apenas fossem capazes de fornecer pra eles próprios tamanha energia e vitalidade na jornada missionária e vida com Deus, quanto também de abastecer o tanque vazio de cada qual ao seu redor?

Perdendo para ganhar

Atos 13.1-3 narra um acontecimento da Igreja de Antioquia. Não, não foi um milagre extraordinário. Pelo menos não parecia ser naquele momento. Não foi um megaevento, nem aconteceu na igreja de Jerusalém. Aconteceu numa comunidade distante dali, numa comunidade que começou meio por acaso. E foi um feito tremendo!

Páscoa: a perfeita Missão

A páscoa sempre nos relembra que Deus escolheu nos incluir, os imperfeitos, na sua perfeita missão. Ele começou, fez o que era necessário para nos salvar, e decidiu que ao invés de enviar anjos enviaria pessoas, enviaria você e eu para anunciar a todas as nações que há vida na morte, há perdão e libertação.

Missão na Europa?

A Europa foi responsável pela evangelização dos países americanos. Foi nela que o cristianismo se desenvolveu já nos primeiros séculos depois de Jesus e por meio da colonização fomos também evangelizados. Mas, desde o início do século XX, ela vive um período de descristianização e, por isso, hoje ela precisa ser novamente evangelizada.

O cristão e as finanças

A promessa é que quem abre a sua sementeira para semear, não terá falta de sementes. Deus não boicota quem tem um coração generoso, ao contrário, lhe proverá mais condições para que possa semear com generosidade em qualquer ocasião.

O cristão e o trabalho

No dia a dia é que mostramos quem realmente somos, nas nossas palavras e com as nossas atitudes. É ali que os outros podem perceber nosso caráter, nossas qualidades e defeitos. Mas como podemos ser como luzes ou como uma cidade edificada sobre um monte nessas circunstâncias?

Covocacionados: discípulos chamados a servir dentro e fora da igreja

A vida covocacionada é o buscar atender ao chamado específico de Deus para uma profissão fora da igreja, unido à obediência ao chamado geral de Deus para todos os discípulos de Jesus: fazer discípulos. Deste modo, se colocando à disposição de Deus para servi-lo em conformidade com os dons por Ele distribuídos.

Da oração à missão

O mesmo Espírito que dinamiza a missão é quem apazigua os ânimos, trazendo paz e unidade para os propósitos da igreja de Cristo. Por isso, ao sermos impelidos a deixar nossas zonas de conforto, por mais que haja confronto, no poder amoroso e capacitador do Espírito os desígnios soberanos do Senhor se cumprirão.

Por mim e por você

O sacrifício de Jesus na cruz foi por mim e por você. Não há nada que precise ser incrementado ao agir de Jesus, nem há nada que precisamos ou possamos oferecer para completar o que Jesus já arrematou na cruz. Nos resta responder a esse tão grande amor de Deus com fé, crendo em Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador.

Movimento missionário

Movimento missionário

Qual seria a fonte desta constante força encorajadora fazendo que Paulo e Barnabé não apenas fossem capazes de fornecer pra eles próprios tamanha energia e vitalidade na jornada missionária e vida com Deus, quanto também de abastecer o tanque vazio de cada qual ao seu redor?

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.