Lembro-me de um breve texto editado num boletim da SEPAL, há mais de 20 anos. O título era “Segure a corda”. A história era mais ou menos assim: um exímio nadador amarrou a extremidade de uma corda em torno de sua cintura e instruiu as pessoas sobre a ponte que segurassem a outra ponta para que ele pudesse mergulhar. Lançou-se para dentro do rio que atravessava a pequena vila, e nadava para resgatar uma criança que estava sendo arrastada pela correnteza. Lutou contra a força da água até alcançar a criança em perigo e, finalmente, fez um sinal para que as pessoas sobre a ponte puxassem para o resgate. Todos os expectadores sobre a ponte estavam muito felizes, de mãos erguidas, e num brado de euforia celebravam o resgate da criança. Porém, ninguém segurou a corda. Nadador, criança e a corda desapareceram na correnteza.  Não lembro exatamente o final desta história, mas lembro de muito bem do recado dela.

O texto de Atos 15.1-21 nos leva a concluir que Jerusalém era lugar de gente que segurava a corda.  No início não era bem assim, mas com o rumo da missão o Espírito de Deus foi conduzindo a comunidade de Jerusalém para que assumisse o papel de igreja mãe. Até podemos ter os melhores e mais competentes missionários e plantadores de igrejas no campo, porém fica complicado quando não temos aqueles que seguram a corda.

O autor e antropólogo cristão Paul G. Hiebert, citando “Alicja Iwanska” (1978), descreve três modos das comunidades se relacionarem com a missão cristã. A primeira é a visão panorâmica: se olha para a missão assim como para uma foto, ou como se contempla um jardim zoológico, com uma devida distância. A segunda é uma conexão de um modo utilitarista. Tem-se ferramentas e recursos e os projetos são desenvolvidos, mas não passa de uma prestação de serviços; seus resultados são numéricos e precisam trazer benefícios, nem que seja para a autopromoção da igreja mãe. A terceira, porém, seria a ideal, onde comunidade se envolve com pessoas, missionários e suas famílias. Pessoas das comunidades em missão: capacidade de amar e de se importar com o que acontece no campo de missão.

Aquilo que estava acontecendo na Antioquia era sim assunto também de Jerusalém. Dificuldades internas e externas na missão são comuns e são reais.  Havia gente ensinando coisas estranhas frente à novidade do evangelho, que é o poder de Deus para salvação (Rm 1.16).  Questões secundárias se colocaram junto ou até acima do evangelho, trazendo confusão para a missão na Antioquia. Tradições que até foram legítimas no passado se transformaram em obstáculos. Lidar com situações desta natureza pressupõem conversas difíceis. Como fazer isso sem que a unidade seja comprometida?

Como é importante quando os problemas podem ser divididos e o campo missionário sabe a quem recorrer. Pedro e Tiago, os apóstolos, também mexidos e transformados pelo Espírito Santo para um novo momento da missão, abrem mão de suas convicções pessoais para olhar com os olhos de Deus para ela. Esses processos de mudanças de ações podem ser difíceis e abalam estruturas. Dificilmente, porém, haverá missão para fora se não tivermos capacidade de mexer estruturas internas.

Antioquia sabia de pessoas que estavam segurando a corda. Paulo e Barnabé sabiam-se conectados. Mergulhar assim na missão fica melhor.  Precisamos de mergulhadores – eles são essenciais – mas como precisamos de seguradores de cordas! Em outras palavras, comunidades-mãe dando o melhor de si em termos de recursos, oração, sabedoria e encorajamento.  Tem sido bom fazer este papel de igreja mãe, por mais que ainda possamos melhorar. Portas têm sido abertas, e é bom celebrar com os mergulhadores. O bom desempenho deles é nossa alegria, mas seguramos a corda, sabendo que eles precisam de nós.

William Bretzke

Por Missão Zero

terça-feira, 20 abril 2021
Mais da MZ
Aprendendo a liberdade

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

ler mais

Sempre haverá oportunidade!

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Aprendendo a liberdade

A missão exige que tenhamos pessoas na igreja que possam ser intérpretes para pessoas que vêm de outros lugares. E também que tenhamos pessoas que falem as línguas daquelas e daqueles que não entrarão pela porta sozinhos, mas que possamos alcançá-las quando saímos de nossas igrejas. Existe aqui todo um campo de formação e mediação intercultural que se abre para as igrejas missionárias.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

Até a última vila

Por certo, o anelo de Deus em ser conhecido percorre uníssono todos os livros das Escrituras Sagradas, trazendo significado para a existência da Igreja. Deveras, a promessa d’Aquele que esmagaria a cabeça da serpente, a eleição de Abraão, a escolha do povo de Israel como vitrine da glória de YWHW, as profecias sobre o Messias. Tudo apontava para “…uma missão Global, de um Deus global, que estabeleceu uma Igreja global”, a fim de que, todos os povos da terra conheçam a Sua glória.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Esse termo não é novo. No contexto missionário, ele sempre existiu! Na história da igreja, a própria Reforma foi um momento de disrupção! O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

Comunicação além do Like

Saber aonde está alicerçado e quais as suas verdades são pontos fundamentais para começar um processo de comunicação. Esse conhecimento vai ajudar você a criar uma identidade e uma narrativa coerente com a realidade do emissor. É nessa etapa também que nos confrontamos com a palavra planejamento. Falando de igreja e missão, esses dois pontos são fundamentais: autoconhecimento e planejamento.

O papel da igreja na Era da sociedade em rede

Somos chamados a ser uma comunidade contra cultural dentro desse mundo escuro, perverso e imerso em trevas. Precisamos, talvez mais do que nunca, ser criativamente envolventes, não isolados. Ser apenas diferente não é suficiente, a igreja deve estar em contato com a sociedade. E a sociedade está no mundo virtual. A sociedade está em rede. E é lá que a luz precisa brilhar.

Quem fala pra todo mundo, não fala pra ninguém

Se nós não personalizarmos a experiência da comunicação, não chegaremos nem em nossos vizinhos. É necessário entendermos com quem estamos falando, conhecer nosso público-alvo, enxergar suas dores e seus sonhos. Isso tudo para que possamos encontrar os melhores meios de comunicar a Palavra.

Bastidores da missão

Se pensarmos bem, o próprio reino de Deus é formado pelos bastidores e pelo “behind the scenes”. Ef 6:12 diz que nossa luta não é contra inimigos de carne e sangue, mas contra governantes e autoridades do mundo invisível. Também foi dito que em secreto oramos, e o Pai que vê em secreto, nos recompensa (Mt 6:6). Assim, muito acontece no secreto, muito acontece e é realizado nos bastidores da missão.

Administrando seu negócio à maneira de Deus

Algumas gerações foram educadas ou até doutrinadas com a convicção de que “negócios e religião não se misturam”, ou seja: negócios são administrados durante a semana, do meu jeito, da minha forma, e Deus eu busco e adoro nos cultos e encontros aos domingos. Mas será que essa foi a instrução de Deus para nós? Será que Ele separou o sagrado do profano?

Alcançando pessoas no ambiente de trabalho

Enquanto empresa somos uma extensa e rica rede de relações pessoais. Então como as pessoas se comunicam e interagem cotidianamente? Que sentimentos e emoções ocorrem no ambiente de trabalho, com fornecedores, clientes e outros parceiros? Como isto afeta a saúde física, mental e as perspectivas dos envolvidos? Empresas BaM tem um olhar particular sobre essas questões com base no relacionamento de Cristo com seus discípulos.

Empresas BAM: fé, missões e negócios

Deus não intencionava que eu abandonasse tudo que aprendi no meio dos negócios e nem minha atuação na consultoria empresarial, mas Ele queria claramente mudar a minha visão secular sobre os negócios, me ensinar como se faz negócios para a glória Dele e me mostrar o importante papel dos negócios na expansão do Seu Reino.

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

Caminhando com Cristo entre os muçulmanos

A verdade é que nosso Deus está estabelecendo seu governo nos corações dos povos muçulmanos e os está acrescentando à sua igreja, e um dia estaremos todos unidos em Sua Presença celebrando o Cordeiro sem qualquer tipo de restrição ou perigo.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.