Lembro-me de um breve texto editado num boletim da SEPAL, há mais de 20 anos. O título era “Segure a corda”. A história era mais ou menos assim: um exímio nadador amarrou a extremidade de uma corda em torno de sua cintura e instruiu as pessoas sobre a ponte que segurassem a outra ponta para que ele pudesse mergulhar. Lançou-se para dentro do rio que atravessava a pequena vila, e nadava para resgatar uma criança que estava sendo arrastada pela correnteza. Lutou contra a força da água até alcançar a criança em perigo e, finalmente, fez um sinal para que as pessoas sobre a ponte puxassem para o resgate. Todos os expectadores sobre a ponte estavam muito felizes, de mãos erguidas, e num brado de euforia celebravam o resgate da criança. Porém, ninguém segurou a corda. Nadador, criança e a corda desapareceram na correnteza.  Não lembro exatamente o final desta história, mas lembro de muito bem do recado dela.

O texto de Atos 15.1-21 nos leva a concluir que Jerusalém era lugar de gente que segurava a corda.  No início não era bem assim, mas com o rumo da missão o Espírito de Deus foi conduzindo a comunidade de Jerusalém para que assumisse o papel de igreja mãe. Até podemos ter os melhores e mais competentes missionários e plantadores de igrejas no campo, porém fica complicado quando não temos aqueles que seguram a corda.

O autor e antropólogo cristão Paul G. Hiebert, citando “Alicja Iwanska” (1978), descreve três modos das comunidades se relacionarem com a missão cristã. A primeira é a visão panorâmica: se olha para a missão assim como para uma foto, ou como se contempla um jardim zoológico, com uma devida distância. A segunda é uma conexão de um modo utilitarista. Tem-se ferramentas e recursos e os projetos são desenvolvidos, mas não passa de uma prestação de serviços; seus resultados são numéricos e precisam trazer benefícios, nem que seja para a autopromoção da igreja mãe. A terceira, porém, seria a ideal, onde comunidade se envolve com pessoas, missionários e suas famílias. Pessoas das comunidades em missão: capacidade de amar e de se importar com o que acontece no campo de missão.

Aquilo que estava acontecendo na Antioquia era sim assunto também de Jerusalém. Dificuldades internas e externas na missão são comuns e são reais.  Havia gente ensinando coisas estranhas frente à novidade do evangelho, que é o poder de Deus para salvação (Rm 1.16).  Questões secundárias se colocaram junto ou até acima do evangelho, trazendo confusão para a missão na Antioquia. Tradições que até foram legítimas no passado se transformaram em obstáculos. Lidar com situações desta natureza pressupõem conversas difíceis. Como fazer isso sem que a unidade seja comprometida?

Como é importante quando os problemas podem ser divididos e o campo missionário sabe a quem recorrer. Pedro e Tiago, os apóstolos, também mexidos e transformados pelo Espírito Santo para um novo momento da missão, abrem mão de suas convicções pessoais para olhar com os olhos de Deus para ela. Esses processos de mudanças de ações podem ser difíceis e abalam estruturas. Dificilmente, porém, haverá missão para fora se não tivermos capacidade de mexer estruturas internas.

Antioquia sabia de pessoas que estavam segurando a corda. Paulo e Barnabé sabiam-se conectados. Mergulhar assim na missão fica melhor.  Precisamos de mergulhadores – eles são essenciais – mas como precisamos de seguradores de cordas! Em outras palavras, comunidades-mãe dando o melhor de si em termos de recursos, oração, sabedoria e encorajamento.  Tem sido bom fazer este papel de igreja mãe, por mais que ainda possamos melhorar. Portas têm sido abertas, e é bom celebrar com os mergulhadores. O bom desempenho deles é nossa alegria, mas seguramos a corda, sabendo que eles precisam de nós.

William Bretzke

Por Missão Zero

terça-feira, 20 abril 2021
Mais da MZ

Faça parte do Multiplique!

Cresça em seu desenvolvimento pessoal e vocacional.
É hora de servir no Reino de Deus para juntos plantar igrejas e fortalecer comunidades.
Está pronto para dar o próximo passo na sua jornada de fé? O Multiplique está aqui para guiar você nessa missão!

Projeto missionário com a JUVEP – Faça parte!

Missão Zero está apoiando o 77° Projeto Missionário de Férias da Missão JUVEP que acontecerá na cidade de São José de Princesa- PB, de 05 a 22/01/2024

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

Os sinais os acompanhavam

Conforme pregamos e anunciamos a Cristo, sua palavra é confirmada. Tive o privilégio de muitas vezes, ao passar o filme Jesus, poder ver tais ocorrências, especialmente onde o evangelho está sendo proclamado pela primeira vez. Não foi diferente desta vez!
Durante o dia visitamos as famílias. Compartilhamos do evangelho e, no fim do dia, passamos o filme Jesus. Começamos o filme, a vila estava lá para assistir, de repente ouvimos um barulho. Já sabia: “tiros” – os ladrões de gado estão aqui! Algumas pessoas saíram correndo. Mais tiroteio….
A pessoas estava com os corações quebrados, mas o entendimento veio, o Espírito atuou e a palavra se confirmou com sinais, da necessidade do evangelho para mudar a realidade, de que a vida que levam não é o que Deus planejou.

Deus está trabalhando!

Queridos Irmãos, que a paz de Cristo esteja convosco!
Nesta última segunda-feira, celebramos a “Fety Pentecoste” aqui em Madagascar (A celebração de Pentecostes).
Depois de um tempo de refrigério e treinamento, nossos dias voltaram a ser muito ocupados novamente.
Deus está trabalhando!!!!
Obrigado por nos ajudar. Sem a sua oração e ajuda financeira não conseguiríamos.
Obrigado por ouvir o Espírito Santo.

Aproveite as oportunidades

“…aproveitem ao máximo todas as oportunidades.” Colossenses 4.5

Discipulado de mulheres é algo que a Jana sempre desejou fazer. E uma maneira que Deus abriu as portas foi através da costura.
Começamos o projeto em 2020. Por falta de recursos para este projeto, não pudemos realizá-lo de novo, pois entregamos as máquinas para abençoá-las ao final do curso, como forma de trazer novas oportunidades e dignidade para elas.
Este ano Deus abriu as portas! Conseguimos comprar todas as máquinas, tecidos … Que alegria! Um privilégio poder crescermos na fé e compartilharmos de Cristo com mulheres com uma vida tão árdua. Algumas nunca pegaram em uma tesoura. A concentração e o desejo de aprender está estampado nos olhos.
Todos os dias começando com o discipulado e depois temos a aula de costura.
Orem por elas! Para que conheçam a Cristo e possam ter suas vidas transformadas pelo evangelho.
Obrigada por aqueles que ofertam nas nossas vidas e, assim, os projetos possam continuar acontecendo em Madagascar! Trabalhemos enquanto é dia!
Que o nome de Cristo seja conhecido e glorificado!!

Missão em um parágrafo – Ribeirinhos

“Não sabia sobre a história de Débora na bíblia” e “Não conhecia nada sobre Dorcas” foram as palavras de algumas mulheres na comunidade em Vila Dedé. Elas estão muito interessadas em estudar sobre as mulheres da Bíblia.
Todos os sábados fazemos estudos. Tem sido uma benção ver o quanto elas desejam aprender com essas personagens. Deus seja louvado sempre!

Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele

Em um dos dias e momentos mais difíceis do ministério, me deparei com essa frase, em um dos melhores livros que tive o privilégio de ler nos últimos tempos: “Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele” (Andy Stanley).
Quando nos dispomos a obedecer ao chamado de Deus em qualquer área de nossas vidas, as trevas se levantam para tentar de alguma forma nos paralisar, nos fazer recuar e desistir.

Evangelismo e compaixão

Evangelismo e compaixão podem andar lado a lado. Seguir os passos de Cristo e ser compassivo é o cerne da cruz!

Missão em um Parágrafo – França

Leia as últimas notícias da Mission Jeepp, em Lyon/França e do casal de missionários, Mateus e Mariana.

Semana intensa entre os Bara

Grandes coisas tem feito o Senhor entre o povo Bara. A semana foi intensa, mas muito gratificante, com muitas atividades e evangelismo.

Missão em um Parágrafo – África

Em nossa ilha, na África, temos tido semanas de muitas interações interessantes, com o grupo de homens e com o trabalho da Rafaela, na escola.

Eu quero acreditar em quem você acredita

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.