A Bíblia afirma, sem deixar nenhuma dúvida, de que somente Jesus Cristo é a única pessoa que oferece salvação (At 4.11-12) e vida eterna (Jo 3.16) para a humanidade. Ela também destaca que é indispensável confessar com a boca que “Jesus é o Senhor e no seu coração crer que Deus ressuscitou Jesus” (Rm10.10).

Durante o período da Reforma, no século XVI, Martim Lutero escreveu: “Justo não é quem pratica muitas obras, mas quem, sem obra, muito crê em Cristo”. Mas quem é Jesus Cristo, que os cristãos confessam como Senhor e Salvador? Segundo o apóstolo Paulo, em sua carta aos colossenses, em Jesus Cristo “habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade” (Cl 2.9). A Confissão de Augsburg, uma importante confissão da fé evangélico-luterana de 1530, declara que Jesus Cristo é “verdadeiro Deus e verdadeiro homem, que verdadeiramente nasceu, padeceu, foi crucificado, morreu e foi sepultado (…) no terceiro dia ressurgiu verdadeiramente dos mortos, subiu ao céu e está sentado à destra de Deus” (Art. 3).

Lutero lembra também que o Senhor Jesus Cristo “vem até nós ou somos levados até ele” ali onde se apresentam os seguintes elementos: a pregação da Palavra de Deus, a administração dos sacramentos, o exercício da oração e o sofrer a cruz, entre outros. Onde estes elementos estão presentes, é possível visualizar a existência do povo cristão, a Igreja. Esta, por sua vez, tem a dádiva e a tarefa de zelar para que, em todos os tempos, o nome de Jesus Cristo continue sendo proclamado de como o único nome – somente Cristo – que tem o poder de redimir o mundo todo que “que está debaixo do poder do Maligno” (1 Jo 5.19).

A existência e a missão da Igreja, no entanto, caem ou ficam em pé com a exclusividade salvífica de Jesus Cristo. Quando, na atualidade, a exclusividade de Cristo, como Senhor e Salvador, é relativizada, em prol de uma pretensa tolerância para o bom convívio entre as religiões, povos e culturas, então certamente a Igreja deixa de ser Corpo de Cristo e torna-se uma organização humanitária, que pode ser de boa aparência aos olhos humanos, mas não é mais Igreja Cristã. Que Deus conceda diariamente à Sua Igreja a força para crer, confessar e obedecer somente a Cristo!

Mário Francisco Tessmann

professor da FATEV

sexta-feira, 18 outubro 2019

Mais do ME

Ídolos dos nossos dias

Uma das coisas que nós temos que perceber é que os ídolos não são coisas individuais que ficam uma ao lado da outra. A idolatria vem em uma embalagem complexa, e a resposta para essa pergunta é a de que existem cinco ou seis ídolos e explicar como eles se desenvolveram em suas histórias particulares.

Missionário Mateus participa de evento da Federação Luterana Mundial

Relato de viagem do Missionário Mateus Pereira: “Estive representando o lado luterano da Igreja Protestante Unida da França, na consulta global da Federação Luterana Mundial intitulada ‘Cremos no Espirito Santo: Perspectivas globais sobre identidades luteranas”.

Metanarrativa bíblica

A Bíblia conta uma história que começa em criação: esse é o começo de toda a história. Ela termina com uma nova criação, no Reino de Deus, na restauração e consumação de todas as coisas. Isso é o final da história cósmica. Nós estamos falando sobre o começo e o fim da história do mundo.

Igreja Missional

Hoje inicia-se uma série que conterá cinco textos para o mês de novembro, denominada “5 respostas sobre Teologia Missional – com Michael Goheen”. Começamos com a temática “Igreja missional”. 

Somente a Graça

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Somente Cristo

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Somente a Escritura

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Somente a fé

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Relativismo

Jesus é a verdade porque é absoluto, é real independente de quem nele acredita ou não. Jesus vai muito além do relativo e é a própria verdade. Ele veio e venceu a morte para nos redimir, nos salvar de nós mesmos e do nosso pecado e nos levar até o Pai. Ele é a verdade que liberta!

Idolatria

Tanto o individualismo quanto o consumismo, tratados nos textos anteriores, são formas de idolatria. Muito se vê a idolatria ao corpo perfeito, ao dinheiro, à carreira e a pessoas, desde celebridades da mídia, esportistas ou políticos. Como cristãos não estamos imunes à idolatria.

Consumismo

O Consumismo é uma característica muito particular dos últimos tempos, e querendo ou não está de alguma forma afetando a cada um de nós diariamente, assim como o individualismo, tratado no último texto.

Individualismo

A igreja, para muitos, faz sentido somente quando satisfaz à sua individualidade, e isso é um sintoma do nosso tempo. Com isso, busca-se também somente a salvação individual, sendo que o Evangelho é a boa nova de Deus para todos, que também implica em dedicação e amor pelos outros.

Metanarrativa bíblica

Metanarrativa bíblica

A Bíblia conta uma história que começa em criação: esse é o começo de toda a história. Ela termina com uma nova criação, no Reino de Deus, na restauração e consumação de todas as coisas. Isso é o final da história cósmica. Nós estamos falando sobre o começo e o fim da história do mundo.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.