Os dias vão passando e, quando nos damos conta, o ano de 2020 já vai chegando ao fim. Para alguns, um ano vagaroso, deprimente. Para outros, surpreendentemente rápido, apesar da pandemia. Para todos, um ano difícil, marcado, querendo ou não, pela Covid-19 e as consequências diretas ao nosso dia-a-dia, à nossa saúde e a daqueles que amamos. As notícias ruins que ouvimos já são colocadas na conta desse ano tão estranho, e virou piada pensar que se algo estranho pode acontecer, vai provavelmente acontecer em 2020 mesmo.

A expectativa geral então é de que o ano termine o quanto logo possível, e que venha um 2021 diferente. A sensação é de que o dia 1º de janeiro do próximo ano já vai ser um dia diferente, e a expectativa por uma vacina, tratamento, ou de alguma forma o final da pandemia nos espera. Afinal, se 2020 não tem mais jeito, nos resta ter esperança por 2021.

Na verdade, apesar de haver essa expectativa geral pelo próximo ano, em menores formas sempre somos assim. É em um novo ano que as dietas começarão, que melhores relacionamentos são prometidos, que grandes expectativas profissionais são esperadas. Assim como antes de dormir nos propomos a um dia seguinte melhor e mais produtivo que o dia de hoje, quando o ano novo chega nós queremos um ano melhor do que o atual.

Há dentro de nós uma grande vontade de controlar, manejar e administrar o nosso tempo. Nós queremos decidir o que fazer com o tempo, e muitas possibilidades nos foram tiradas durante a pandemia. O controle saiu de nossas mãos, e isso gera frustração. Um novo dia, ou um novo ano, parecem sempre oportunidades de fazer as coisas de novo do nosso jeito. O escritor C.S. Lewis, no seu livro chamado “Cartas de um diabo ao seu aprendiz”, conta a história de um “diabo” que orienta o seu sobrinho sobre como tentar os humanos e os afastar de Deus. Em certo trecho, ele diz:

“Deixe-o sentir que começa cada dia como o legítimo proprietário de 24 horas. Deixe-o sentir que aquele pedaço de sua propriedade, que tem de ceder aos seus empregadores, é um tributo muito pesado, e que aquela outra porção de tempo que ele cede aos deveres religiosos é uma generosa doação”.

Lewis brinca com esse nosso desejo de controle do tempo e mostra como ele é um perigo, pois nos faz supor que temos uma grande autonomia, nos faz crer que somos capazes de controlar o que na verdade não somos, e a crer que tudo aquilo que acontece fora do nosso cronograma é um sacrifício ou um problema. No famoso Sermão do Monte, Jesus Cristo, que veio a ser homem e conheceu esses nossos desejos profundos, confronta eles diretamente:

“Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? […] Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”. Mateus 6:27 e 34

O ser humano pecou e se afastou de Deus, e enquanto não conhece o Reino de Deus na sua plenitude, na volta de Cristo, vive num mundo que a cada dia tem seu próprio mal. Ironicamente, a volta de Cristo, por mais que a aguardemos, não está sob nosso controle de tempo, e nos lembra do Deus que é soberano também nisso. O Filho do homem virá numa hora em que não esperamos (Mt 24.44).

Enquanto isso, somos enviados por Cristo para através da presença do Espírito Santo manifestar na nossa realidade sinais desse Reino que é eterno. O Evangelho, a boa notícia, nos move e orienta ao agir prático e à missão em todo tempo e toda circunstância. O Evangelho é a nossa esperança em 2020 e em 2021, e para todo sempre. Ele é também a nossa direção para qualquer agir e para compreendermos a missão de Deus. Não é à toa que, na chamada Grande Comissão, quando Jesus envia os seus discípulos à missão, ele sinaliza que estará conosco nisto em todo tempo, até o fim dos tempos.

Nós não somos soberanos sobre o tempo, mas conhecemos Aquele que é.

“E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” Mateus 28.20

Por Missão Zero

quarta-feira, 18 novembro 2020
Mais da MZ
Igreja que acolhe

Igreja que acolhe

Um refugiado busca aqui o que lhe foi usurpado: dignidade, proteção e segurança. Situação básica que cada um de nós também busca e a Igreja é convocada por Deus a responder ativamente. Venezuelanos não são merecedores de pena, mas sim necessitam de dignidade, como eu e você.

ler mais

Invista como um especialista

Tenho a impressão de que nos últimos tempos estou sendo bombardeado de propagandas dizendo: invista seu dinheiro conosco. Outras propagandas prometem fazer seu dinheiro render de forma extraordinária. Agora, chegou a minha vez de dar algumas dicas de investimento para você!

Tempo perdido

Nosso desejo de controle do tempo é um perigo, pois nos faz supor que temos uma grande autonomia, nos faz crer que somos capazes de controlar o que na verdade não somos, e a crer que tudo aquilo que acontece fora do nosso cronograma é um sacrifício ou um problema.

Igreja que acolhe

Um refugiado busca aqui o que lhe foi usurpado: dignidade, proteção e segurança. Situação básica que cada um de nós também busca e a Igreja é convocada por Deus a responder ativamente. Venezuelanos não são merecedores de pena, mas sim necessitam de dignidade, como eu e você.

Mais do que uma oportunidade, uma responsabilidade

À medida que enfrentamos uma crise após outra, nós, a igreja, devemos aceitar nossa responsabilidade de nos levantar e ser uma bênção, um exemplo e uma esperança para outros. Agindo dessa forma, estamos mais propensos a manter nossas prioridades em ordem.

The Croods

Aprendemos com a família Crood que precisamos nos reinventar. Juntos, eles enfrentam grandes desafios e se adaptam à uma nova era. Agora, chegou a nossa vez. Nossas vidas sofreram uma grande transformação e a maneira como vivemos igreja mudou e vai mudar mais ainda.

Vocação para muito mais que manutenção

Quando uma comunidade de discípulos de Jesus redescobre sua vocação essencial através do Evangelho, o Espírito Santo os capacita a viver a missão de Deus. Com esse projeto de comunidade o próprio Deus tem um compromisso.

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

Ser igreja é ter propósito

Quem estabeleceu o propósito de a igreja existir e nos chama a fazer parte desse propósito é o próprio Deus. Por isso, quando falamos sobre igreja, precisamos nos voltar primeiramente para Deus e perguntar como ele mesmo define a igreja em sua essência.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Mas se pararmos para pensar, esse termo não é novo. O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

A missão da Liga da Justiça

Embora eles já tenham passado por várias mudanças ao longo dos anos e tenham se dividido e se reunido inúmeras vezes, sempre que as fichas foram lançadas e a terra precisou de seus maiores heróis juntos nas linhas de frente, a Liga da Justiça sempre respondeu ao chamado para o dever.

O desafio da missão aos jovens

Como a igreja pode “concorrer” com tantas alternativas oferecidas no mundo virtual? Afinal, não se trata apenas dos jovens (que são uma faixa-etária essencial à igreja), mas destes que além de já serem igreja hoje, serão igreja por muito tempo pela frente. Se a igreja não alcançar os jovens hoje, quem será a igreja daqui a 15, 30 ou 50 anos?

O terminal

É nos lares que a igreja pós-pandemia se fortalecerá e se desenvolverá. Líderes/pastores sábios irão cooperar com esta tendência ao invés de competir com ela: eles precisarão capacitar os membros para serem ministros de suas famílias e vizinhanças.

Mais do que uma oportunidade, uma responsabilidade

Mais do que uma oportunidade, uma responsabilidade

À medida que enfrentamos uma crise após outra, nós, a igreja, devemos aceitar nossa responsabilidade de nos levantar e ser uma bênção, um exemplo e uma esperança para outros. Agindo dessa forma, estamos mais propensos a manter nossas prioridades em ordem.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.