Teodorico! Este nome significa alguém ou algo para você? Talvez não, mas significa muito para mim. Significa, entre outras coisas, que o acento que dei ao discipulado no meu ministério pastoral, desde o princípio, estava absolutamente certo.

Teodorico e sua esposa Neiva chegaram à igreja onde eu era pastor há pouco tempo, isto no ano de 1972! Eles vieram morar em nossa cidade por questões profissionais e procuravam uma igreja para continuarem sua caminhada de fé recém iniciada. Queriam construir sua vida matrimonial em bases cristãs sólidas e precisavam de uma família da fé.

Haviam coisas que nos eram comuns: éramos jovens, casados a dois anos, cheios de planos e com muitas perguntas. Eu pus o olho neste Teodorico e “deu liga”!

Entrei com ele num processo de discipulado. Logo nossas esposas se tornaram amigas e passamos a conviver intensamente – semanalmente íamos a casa deles para estudar as escrituras e compartilhar de nossas vitórias e fracassos.

Três coisas marcaram este convívio – fidelidade, transparência e confidencialidade. Todas as atividades da Comunidade eram motivo para convivermos. E não só na igreja, mas também no decorrer da semana nós estávamos juntos – em muitas das longas viagens às comunidades filiais, Teodorico e Neiva iam conosco. O futebol do sábado à tarde era sagrado. Como ele disse estes dias para mim: “Foram muitos e muitos jantares e almoços juntos em nossa casa e também na casa pastoral”!

Na verdade, eu estava pondo em prática com Teodorico e sua esposa e mais algumas pessoas da Comunidade o discipulado de convivência. Eu havia aprendido com meu pai na fé e discipulador que Jesus tinha preparado os homens e mulheres que foram os alicerces da Igreja através deste tipo de discipulado. Fora no convívio com ele que os Doze (Marcos 3.13-14), os Setenta (Lucas 10. 1ss), os Cento e Vinte (Atos 1.15-22), as mulheres (Marcos 15.40-41) foram lapidados e se tornaram os herdeiros e os porta-vozes da Salvação e os heróis de Atos dos Apóstolos. Discipulado de convivência já praticado por Moisés e Josué, Elias e Eliseu, depois por Paulo e Timóteo e assim através de toda a história bíblica.

Não foi por outro motivo que Jesus Cristo determinou que na Igreja, o Discipulado seria a ferramenta para levar o Evangelho a todo o mundo. O discipulado que ele praticara seria o modelo de ministério que todos deveriam considerar. Este seria a chave para alcançar todas as pessoas, em todos os lugares e em todos tempos. As outras atividades que se praticassem, por melhor que fossem, seriam acessórias e secundárias.

Portanto o discipulado não é uma atividade que devemos praticar nas Comunidades ou em nossa vida pessoal ao lado de outras. Precisa ser o centro de tudo o que fazemos. Deve se tornar um estilo de vida no qual estamos envolvidos o tempo todo. É nas pessoas discipuladas que vai estar ancorado o futuro saudável de nossas Comunidades. Este será o melhor legado que nós, homens e mulheres, líderes e pastores, poderemos deixar para a próxima geração.

Com nossa mudança de Comunidade em 1975 nosso contato com Teodorico e Neiva, já agora com duas filhas, foi quase que cortado. Nos encontramos numa visita deles a nossa casa na nova cidade e depois ainda em três anos sucessivos nos retiros de Carnaval. Depois eles saíram totalmente de nossa agenda. Soubemos que eles também tinham mudado de cidade e tinham achado uma Igreja nesse novo lugar.

Eis que alguns meses atrás voltamos a ter notícias pessoais deles. Isto nos levou a um novo contato. Teodorico e Neiva continuam ativos no ministério de discipulado em sua igreja local. Ele hoje é advogado e usa seu gabinete como púlpito buscando levar seus clientes a Cristo. Estão envolvidos há mais de 40 anos (!) no discipulado como seu acento no ministério de jovens casais e formação de lideranças de sua igreja. Isto desde aqueles velhos tempos, quando os acolhemos e os envolvemos no discipulado de Cristo.

Logo que a pandemia do Covid-19 amainar, um encontro em nossa casa e sítio já está programado. Serão mais alguns almoços e jantares que vamos celebrar juntos neste caminho do discipulado que continua até que a boa obra de Cristo, iniciada na Cruz, esteja completa.

E nós, Vera e eu, como discípulos de Jesus, poderíamos ter feito algo melhor do que isto naqueles idos de 1970 e através de toda a nossa vida e ministério?

Sergio Schaefer

Por Missão Zero

quarta-feira, 15 julho 2020
Mais da MZ
Discípulo presente

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

ler mais

Vocação para muito mais que manutenção

Quando uma comunidade de discípulos de Jesus redescobre sua vocação essencial através do Evangelho, o Espírito Santo os capacita a viver a missão de Deus. Com esse projeto de comunidade o próprio Deus tem um compromisso.

Discípulo presente

Em cada novo momento da história, Deus chama os discípulos de Jesus para se perguntarem se estão sendo fiéis à missão que ele, Deus, nos confiou. Por isso, a igreja é algo dinâmico, em mudança, na constante busca pela fidelidade a Deus, lembrando que essa fidelidade é para ser vivida no contexto histórico no qual nos encontramos.

Ser igreja é ter propósito

Quem estabeleceu o propósito de a igreja existir e nos chama a fazer parte desse propósito é o próprio Deus. Por isso, quando falamos sobre igreja, precisamos nos voltar primeiramente para Deus e perguntar como ele mesmo define a igreja em sua essência.

Disrupção

O momento atual tem levado toda a sociedade no caminho da disrupção. Mas se pararmos para pensar, esse termo não é novo. O Evangelho é disruptivo, a missão é disruptiva, o Espírito Santo de Deus age em nós e através de nós de forma disruptiva. Ele transforma padrões. Ele nos convida a mudanças. Ele desafia modelos.

A missão da Liga da Justiça

Embora eles já tenham passado por várias mudanças ao longo dos anos e tenham se dividido e se reunido inúmeras vezes, sempre que as fichas foram lançadas e a terra precisou de seus maiores heróis juntos nas linhas de frente, a Liga da Justiça sempre respondeu ao chamado para o dever.

O desafio da missão aos jovens

Como a igreja pode “concorrer” com tantas alternativas oferecidas no mundo virtual? Afinal, não se trata apenas dos jovens (que são uma faixa-etária essencial à igreja), mas destes que além de já serem igreja hoje, serão igreja por muito tempo pela frente. Se a igreja não alcançar os jovens hoje, quem será a igreja daqui a 15, 30 ou 50 anos?

O terminal

É nos lares que a igreja pós-pandemia se fortalecerá e se desenvolverá. Líderes/pastores sábios irão cooperar com esta tendência ao invés de competir com ela: eles precisarão capacitar os membros para serem ministros de suas famílias e vizinhanças.

Visão 5030

Queremos plantar igrejas pois compreendemos que essa é a melhor forma de levar a mensagem do Evangelho de Jesus Cristo aos mais diversos lugares e contextos. Igrejas significativas e relevantes à cultura podem alcançar pessoas de diferentes gerações, tradições e grupos socioeconômicos, além de impactar positivamente a sua região.

Uma jornada extraordinária!

Os cristãos da igreja primitiva se reuniam em suas casas para terem comunhão “uns com os outros”, para ministrarem orações uns pelos outros, para comerem juntos e para compartilharem a Palavra. Não se reuniam apenas para estudar ou ouvir alguém dando sermões. Tudo o que faziam era parte do novo estilo de vida gerada por Cristo em suas vidas.

Um convite que vale a pena!

Quando você faz parte de uma plantação de uma igreja, você vê claramente aquele Evangelho que você pensou que não tinha “tanto” poder mudar a vida da pessoa com a qual você está convivendo. A transformação acontece na sua frente e você lembra que “o Evangelho de Jesus tem poder”.

Por que plantar igrejas?

Na Grande Comissão, Jesus não somente convoca seus discípulos para fazerem outros discípulos, mas diz para que façam discípulos, batizem e ensinem. Os desafios evangelísticos do Novo Testamento não são simplesmente para compartilhar a fé, mas são chamados para a plantação de igrejas.

Deus capacita os disponíveis

Se você parar pra pensar, a maioria das tarefas realizadas que se tornam extraordinárias, ou até mesmo “ordinárias”, não são realizadas por alguém com um chamado especial pra isso, mas sim por alguém que se colocou à disposição.

Ser igreja é ter propósito

Ser igreja é ter propósito

Quem estabeleceu o propósito de a igreja existir e nos chama a fazer parte desse propósito é o próprio Deus. Por isso, quando falamos sobre igreja, precisamos nos voltar primeiramente para Deus e perguntar como ele mesmo define a igreja em sua essência.

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.