Deus, em sua imensa sabedoria, escolheu que os seus filhos participassem da missão de espalhar as boas novas do evangelho. Em outras palavras, Deus não precisa de nós, mas mesmo assim nos escolheu para sermos seus servos na Sua missão de redimir o mundo. Nesse contexto, vale a pena notar que a missão que nos foi confiada é relativamente simples (porém extremamente importante): a de proclamar, de tornar conhecida, de explicar o sacrifício redentor de Jesus a todos aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de ouvir. O evangelho é, portanto, uma mensagem que precisa ser transmitida e recebida, pois como ouvirão (com seus ouvidos) se não há quem pregue (com as suas palavras) – Romanos 10.14.

Tanto o missionário tradicional quanto o missionário dito “fazedor de tendas” estão empenhados nessa mesma tarefa, sendo a única diferença entre os dois o fato de que o fazedor de tendas irá se empenhar em algum trabalho/profissão ao mesmo tempo que proclama as boas novas.

Como qualquer outro missionário, ele precisa ser constantemente lembrado que o evangelho é uma mensagem. Isso significa que não importa o quão especial seja o seu trabalho profissional ou quão gratificante é cooperar com Deus para um mundo melhor – o seu trabalho é uma bênção, mas não é o evangelho. Neste sentido, a profissão do fazedor de tendas é, no final das contas, apenas uma plataforma para a sua presença no campo missionário. A função desta plataforma será permitir que ele tenha oportunidades de entregar a mensagem que lhe foi confiada.

Um cristão dentro da sua própria cultura deveria compartilhar da sua fé no seu contexto profissional, pois não poderia deixar de falar daquilo que transformou a sua vida. Contudo, enviar esse mesmo profissional cristão para o Iraque sem nenhum treinamento em missão transcultural é uma receita para o fracasso – talvez até mesmo uma receita para uma tragédia.

Neste caso, talvez anos de treinamento serão necessários para equipar um profissional a ser um missionário. Da mesma forma, anos de formação profissional podem ser necessários para equipar um missionário a estar apto para um campo fechado no qual a figura do teólogo tradicional é proibida. Vale dizer que é triste ver missionários se sentirem mentirosos no campo dizendo que são técnicos em uma determinada área, mas na verdade não têm experiência nenhuma, e só fizeram um cursinho pela internet antes de partirem para a missão.

Cogitar que a formação profissional do missionário é apenas um detalhe para estar em um país pode ser perigoso e um péssimo testemunho cristão se a pessoa não souber desempenhar a função para qual ela conseguiu o visto de trabalho. O campo missionário precisa de bons “fazedores de tenda” e não de fazedores de fiasco.

Uma vez formado e enviado, a vida do fazedor de tendas será um constante malabarismo entre o tempo que ele irá dedicar ao seu trabalho e ao seu ministério, sem esquecer obviamente da sua família, saúde física, mental e espiritual. Em resumo, a vida vai ser corrida porque apesar de ter duas frentes de trabalho, o dia vai continuar tendo apenas 24h. No meu caso, todos os dias enfrento o desafio de como ser excelente no meu trabalho e ao mesmo tempo em como vou conseguir estar livre do hospital para poder me dedicar ao ministério, aprofundando o conhecimento da língua local, me envolvendo com evangelismo e discipulado, preparando estudos para os grupos, etc. A realidade é que tenho que conviver com o fato de que não vai dar tempo para fazer tudo que eu gostaria.

Apesar de ser complexa a formação e a vida do fazedor de tendas, o seu alcance é espetacular. É ele que terá acesso aos países considerados fechados para os missionários tradicionais. Este argumento isolado já seria suficiente para encorajar novos “fazedores de tenda”, mas há outros três pontos que creio serem também bastante positivos:

1) O “fazedor de tendas” terá uma identidade muito sólida no país onde ele irá morar. Identidade sólida aumenta em muito a credibilidade de uma pessoa e por consequência o seu testemunho de fé acaba tendo um impacto maior;

2) Por se envolver em uma atividade profissional, ele terá muito mais contatos e relacionamentos com locais. Relacionamentos no campo missionário valem ouro;

3) Diversos relatos mostram que muitos novos cristãos acabam se interessando pela vida do missionário tradicional por terem a impressão de que ele ganha muito bem a sua vida sem “trabalhar”. Nesse sentido, sobretudo em contextos de muita pobreza, o fato de o missionário ter uma profissão serve de modelo para os novos crentes de que cristão também trabalha.

Por fim, nem a profissão nem o ministério devem definir o que é um “fazedor de tendas”. Ele deve ser alguém que sabe que é um filho amado de Deus. Uma pessoa impactada pela mensagem do evangelho de tal maneira que esteja disposta a reproduzi-la com naturalidade mesmo estando bem longe da sua zona de conforto. 

Os campos estão cheios, mas os trabalhadores são poucos. Faça parte você também!

Breno A. Speckhann

Por Missão Zero

quarta-feira, 13 maio 2020
Mais da MZ
De Bara para Bara, cumprindo o ide!

De Bara para Bara, cumprindo o ide!

1ª Conferência Missionária Bara: Três dias tivemos o privilégio de reunir dezenas de jovens Bara, crentes de toda a região onde moramos, para desafiá-los a engajarem-se na evangelização de seu próprio povo.

ler mais

Um Ensaio sobre o Amor Multicultural

Um ensaio sobre o amor missionário, que se importa com o outro, se doa, e leva o amor de Deus aos diferentes povos, línguas e nações.

De Bara para Bara, cumprindo o ide!

1ª Conferência Missionária Bara: Três dias tivemos o privilégio de reunir dezenas de jovens Bara, crentes de toda a região onde moramos, para desafiá-los a engajarem-se na evangelização de seu próprio povo.

Faça parte do Multiplique!

Cresça em seu desenvolvimento pessoal e vocacional.
É hora de servir no Reino de Deus para juntos plantar igrejas e fortalecer comunidades.
Está pronto para dar o próximo passo na sua jornada de fé? O Multiplique está aqui para guiar você nessa missão!

Projeto missionário com a JUVEP – Faça parte!

Missão Zero está apoiando o 77° Projeto Missionário de Férias da Missão JUVEP que acontecerá na cidade de São José de Princesa- PB, de 05 a 22/01/2024

Eu quero acreditar em quem você acredita

Não entendi essas palavras na hora de ouvi-las. Por um instante pensei que talvez fosse uma armadilha. Eu tinha retornado ao país depois de mais de 5 anos e estava completamente desatualizada de como a polícia secreta estava operando. Meu amigo podia ser um informante da polícia religiosa. Eu precisava me sentar com ele num lugar onde pudesse indagar mais a respeito. Não é bem-visto pela comunidade local que mulheres solteiras recebam homens em suas casas. Depois de vários dias tentando me encontrar com Cristian, superei meus próprios medos e preconceitos e o convidei para conversar em casa.

Os sinais os acompanhavam

Conforme pregamos e anunciamos a Cristo, sua palavra é confirmada. Tive o privilégio de muitas vezes, ao passar o filme Jesus, poder ver tais ocorrências, especialmente onde o evangelho está sendo proclamado pela primeira vez. Não foi diferente desta vez!
Durante o dia visitamos as famílias. Compartilhamos do evangelho e, no fim do dia, passamos o filme Jesus. Começamos o filme, a vila estava lá para assistir, de repente ouvimos um barulho. Já sabia: “tiros” – os ladrões de gado estão aqui! Algumas pessoas saíram correndo. Mais tiroteio….
A pessoas estava com os corações quebrados, mas o entendimento veio, o Espírito atuou e a palavra se confirmou com sinais, da necessidade do evangelho para mudar a realidade, de que a vida que levam não é o que Deus planejou.

Deus está trabalhando!

Queridos Irmãos, que a paz de Cristo esteja convosco!
Nesta última segunda-feira, celebramos a “Fety Pentecoste” aqui em Madagascar (A celebração de Pentecostes).
Depois de um tempo de refrigério e treinamento, nossos dias voltaram a ser muito ocupados novamente.
Deus está trabalhando!!!!
Obrigado por nos ajudar. Sem a sua oração e ajuda financeira não conseguiríamos.
Obrigado por ouvir o Espírito Santo.

Aproveite as oportunidades

“…aproveitem ao máximo todas as oportunidades.” Colossenses 4.5

Discipulado de mulheres é algo que a Jana sempre desejou fazer. E uma maneira que Deus abriu as portas foi através da costura.
Começamos o projeto em 2020. Por falta de recursos para este projeto, não pudemos realizá-lo de novo, pois entregamos as máquinas para abençoá-las ao final do curso, como forma de trazer novas oportunidades e dignidade para elas.
Este ano Deus abriu as portas! Conseguimos comprar todas as máquinas, tecidos … Que alegria! Um privilégio poder crescermos na fé e compartilharmos de Cristo com mulheres com uma vida tão árdua. Algumas nunca pegaram em uma tesoura. A concentração e o desejo de aprender está estampado nos olhos.
Todos os dias começando com o discipulado e depois temos a aula de costura.
Orem por elas! Para que conheçam a Cristo e possam ter suas vidas transformadas pelo evangelho.
Obrigada por aqueles que ofertam nas nossas vidas e, assim, os projetos possam continuar acontecendo em Madagascar! Trabalhemos enquanto é dia!
Que o nome de Cristo seja conhecido e glorificado!!

Missão em um parágrafo – Ribeirinhos

“Não sabia sobre a história de Débora na bíblia” e “Não conhecia nada sobre Dorcas” foram as palavras de algumas mulheres na comunidade em Vila Dedé. Elas estão muito interessadas em estudar sobre as mulheres da Bíblia.
Todos os sábados fazemos estudos. Tem sido uma benção ver o quanto elas desejam aprender com essas personagens. Deus seja louvado sempre!

Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele

Em um dos dias e momentos mais difíceis do ministério, me deparei com essa frase, em um dos melhores livros que tive o privilégio de ler nos últimos tempos: “Obedeça a Deus e deixe as consequências com Ele” (Andy Stanley).
Quando nos dispomos a obedecer ao chamado de Deus em qualquer área de nossas vidas, as trevas se levantam para tentar de alguma forma nos paralisar, nos fazer recuar e desistir.

Evangelismo e compaixão

Evangelismo e compaixão podem andar lado a lado. Seguir os passos de Cristo e ser compassivo é o cerne da cruz!

Missão em um Parágrafo – França

Leia as últimas notícias da Mission Jeepp, em Lyon/França e do casal de missionários, Mateus e Mariana.

Faça parte do Multiplique!

Faça parte do Multiplique!

Cresça em seu desenvolvimento pessoal e vocacional.
É hora de servir no Reino de Deus para juntos plantar igrejas e fortalecer comunidades.
Está pronto para dar o próximo passo na sua jornada de fé? O Multiplique está aqui para guiar você nessa missão!

ler mais

#somosME

O Encontrão nasceu como um movimento e quer continuar assim. Para que isso aconteça, a sua participação é essencial. Entre com contato e faça a sua doação.

Newsletter

Assine e fique por dentro de tudo o que acontece no ME.

[egoi-simple-form id="213034"]

Siga-nos

e tenha atualizações regulares, em tempo real.